Tradições abandonadas: revisitando "O Povo", de Jules Michelet

Luís Henrique Alves Cordeiro Martins, Frank Rudiger Lopes, Erick Caixeta Carvalho, Pedro Mitsugui Vidal Yoshimatu
2018 Epígrafe  
No presente artigo, trabalhamos com O Povo de Jules Michelet, estudando as suas perspectivas históricas, sua metodologia, e as relações com o período de formação da história como disciplina, no século XIX. Para compreender o pensamento do autor, descartamos uma concepção anterior do historiador como positivista, analisando seu pensamento pela sua obra e alguns trabalhos relacionados às suas concepções teóricas da história. Operação feita por meio da análise da obra de Giambattista Vico, Scienza
more » ... tista Vico, Scienza Nuova (Nova Ciência), pensador italiano do século XVIII que trabalhou com a construção de uma nova forma de estudar a ciência do homem, em oposição ao método experimentalista de Descartes e Newton. Assim, apresentando uma proposta de análise cultural, de estudos dos povos e costumes. No trabalho, avaliamos a presença de Vico em Michelet, além de considerar de que forma as ideias do pensador italiano constituíram-se no pensamento do historiador francês; hipótese motivada pelo fato de Michelet ter traduzido a obra de Vico para o francês, tendo, portanto, estudado e conhecido extensamente a concepção histórica do italiano. Também consideramos outros elementos do momento histórico da criação de O Povo, como entendimentos de "povo" do pensamento alemão, o Volksgeist (Espírito do Povo), além de ideias possivelmente românticas e patrióticas, como nas ideias de "França e Anti-França". Desse modo, revisitando Michelet como mais do que simplesmente um "positivista", mas um pensador dentro de seu tempo que também foi original e possuiu outros métodos e enfoques que o distanciaram e o tornaram um historiador bastante particular no século XIX.
doi:10.11606/issn.2318-8855.v5i5p45-63 fatcat:ze4khe7dlfg5xia3vpfhj7gao4