Ponte miocárdica multiarterial: apresentações clínica e anatômica incomuns

Luciano de Moura Santos, Edmur Carlos de Araújo, Luciano Nogueira Liberato de Sousa
2007 Arquivos Brasileiros de Cardiologia  
Introdução Apesar de várias casuísticas relatadas sobre a evolução clínica de pacientes com ponte miocárdica, pouco se sabe ainda acerca da condição benigna ou não dessa entidade 1 . Há inclusive grande discrepância sobre a sua própria incidência, com valores díspares quando se avalia o diagnóstico angiográfico versus patológico 2 . Muito se avançou em relação aos mecanismos de isquemia por meio de ferramentas como o ultra-som e o doppler intracoronários, embora ainda não exista uma completa
more » ... sta uma completa elucidação 3 . Pretendemos relatar um caso de ponte miocárdica com apresentações clínica e anatômica incomuns. Relato do Caso Paciente do sexo masculino, 42 anos, admitido em pronto-socorro de cardiologia com história de precordialgia iniciada há 12 horas, de leve intensidade, sem irradiação, desencadeada por esforço físico, contínua e sem alívio com analgésico comum. Não apresentava fatores de risco para doença arterial coronariana. Encontrava-se com pressão arterial de 135/85 mmHg e freqüência cardíaca de 82 bpm. Não havia alterações no exame segmentar. O eletrocardiograma apresentava ritmo sinusal com inversão de onda T em DI e aVL. A CK-MB atividade estava normal e a troponina discretamente elevada. Foram introduzidos enoxaparina 1mg/Kg/12h, aspirina 200 mg, clopidogrel 600 mg e foi iniciada nitroglicerina. Após o início da infusão do nitrato endovenoso, o paciente referiu piora do desconforto torácico, sendo realizado outro eletrocardiograma que demonstrou supradesnivelamento do segmento ST de V1 a V4. A cineangiocoronariografia de urgência demonstrou estreitamento sistólico severo do calibre arterial em longo segmento da descendente anterior (80 mm), septais, porções distais de ramos diagonais e marginais da circunflexa, além de estreitamento sistólico discreto do calibre arterial em ramo agudo marginal da coronária direita ( fig. 1) . A ventriculografia esquerda demonstrou função contrátil preservada. Foi suspensa a nitroglicerina endovenosa e administrado betabloqueador endovenoso associado a antagonista de canal de cálcio via oral. O paciente evoluiu assintomático, com resolução do supradesnivelamento do segmento ST. Ecodopplercardiograma não demonstrou anormalidades anatômicas ou funcionais. O paciente recebeu alta em uso de aspirina 200 mg, metoprolol 100 mg e diltiazem 240 mg. Posteriormente, o paciente foi submetido a angiotomografia de coronárias, a qual demonstrou feixes musculares envolvendo as artérias coronárias acima descritas, incluindo a grande extensão na descendente anterior (80 mm), porém com discreta profundidade ( fig. 2) . Após 30 dias de início do tratamento clínico, foi realizada cintilografia de perfusão miocárdica associada ao teste ergométrico, sem obtenção de áreas isquêmicas. Em razão do duplo bloqueio, atingiram-se apenas 74% da freqüência cardíaca máxima, porém com excelente capacidade aeróbica. O paciente foi mantido sob o tratamento clínico descrito e liberado para a prática de atividade física supervisionada. Discussão Acreditamos que este seja o primeiro relato de ponte miocárdica acometendo ramos diagonais e septais da descendente anterior, ramo marginal da circunflexa e marginal agudo da coronária direita associado à extensão bastante Palavras-chave Ponte de artéria coronária, angiografia coronária, nitroglicerina, isquemia miocárdica. Homem de 42 anos, sem fatores de risco para doença arterial coronariana, internado com precordialgia atípica. Eletrocardiograma após a introdução de nitrato endovenoso evidenciou supradesnivelamento do segmento ST de V1 a V4. Cineangiocoronariografia demonstrou ponte miocárdica nas três artérias coronárias além de extensão incomum na descendente anterior (80 mm). A evolução foi satisfatória com a suspensão do nitrato e instituição de betabloqueador e antagonista de canais de cálcio. We report the case of a 42-year-old man with no risk factors for coronary artery disease admitted with atypical chest pain. The electrocardiogram performed after intravenous injection of nitrate revealed ST-segment elevation in leads V1 to V4. The coronary angiography showed myocardial bridges in the three coronary arteries, besides an unusual length of the left anterior descending artery (80 mm). The patient progressed well following the discontinuation of nitrate use and introduction of beta-blockers and calcium channel antagonists.
doi:10.1590/s0066-782x2007000400023 pmid:17546254 fatcat:oh4rwncu6zfxbf3n6vtgr7auna