Ó, SÉCULO XIX: SENSIBILIDADE E RESPONSABILIDADE EM STENDHAL (1783-1842) [thesis]

CLARISSA MATTOS FARIAS
Ao CNPq, agradeço a bolsa concedida ao longo de dois anos de pesquisa. A meu orientador, Ricardo Benzaquen, sou eternamente grata não apenas pela orientação, mas também pela longa trajetória de sete disciplinas sendo sua aluna. Além da minha imensa admiração intelectual, sem a qual eu não seria tão devota à vida acadêmica, devo a ele a capacidade de ver para onde minha dissertação me levava muito antes de mim e por ter me encorajado em minhas intuições quando eu mesma estava prestes delas
more » ... prestes delas desistir. Não posso deixar de agradecer a sua enorme generosidade e paciência. Esta dissertação não seria possível sem a ajuda do meu orientador de graduação, Marcelo Jasmin, responsável pelo meu primeiro encantamento com a área de História Intelectual e a quem eu sou imensamente grata por ter estado próximo em todo o processo da escrita. A Marcos Veneu, eu agradeço as tão importantes sugestões de leitura e as críticas feitas ao longo da escrita. Agradeço também pelo incentivo e entusiasmo que me acompanham desde o primeiro período de graduação. A Luiza Larangeira, longe de poder agradecê-la apenas como leitora, sou grata também por sua gentileza e seu apoio em todas as etapas desta dissertação. Além de ter participado da minha banca de qualificação e ter me dado o prazer de novamente estar na banca de defesa, ela é responsável por muitas das sugestões e ideias do texto a seguir. Se já não fosse o bastante, ela é ainda uma ótima amiga que tive a sorte de encontrar nesta vida acadêmica e com quem pude partilhar meu primeiro entusiasmo com a literatura oitocentista. PUC-Rio -Certificação Digital Nº 1412204/CA A Henrique Estrada, sou grata às sugestões na banca de qualificação e à gentil disposição em ajudar durante a redação. Agradeço também por, novamente, aceitar fazer parte da banca, agora de defesa. A alguns professores, tanto na graduação como no mestrado, por terem marcado de maneira tão fundamental minha trajetória acadêmica: Eunícia Fernandes, João Masao, Maísa Sá, Ronaldo Brito, Ilmar Rohloff de Mattos, Flavia Eyler e Sérgio Martins. Agradeço também aos queridos funcionários do Departamento de História por sempre terem me acolhido tão bem: Claudio Santiago, Cleusa Souza Silva, Edna Timbó e Moisés Sant'Anna. A Felipe Charbel, Gustavo Naves Franco e João Duarte, agradeço sobretudo o gosto partilhado pela literatura, as ótimas sugestões de romances e os comentários avulsos sobre a minha dissertação em conversas a princípio sem nenhum propósito acadêmico. Agradeço também aos amigos que tiveram paciência de me ver sumir por uns tempos, mas que seguiram acreditando que um dia eu reapareceria. Sou grata às diversas mensagens de incentivo e carinho: Aos queridos companheiros de mestrado (inclusive aqueles que me acolheram em uma turma que não era a minha) pelas divertidas e importantes conversas sobre o percurso acadêmico:
doi:10.17771/pucrio.acad.29603 fatcat:pcwlv6hqdndctfyy3llulay6lq