Faces ficcionais da paixão. Meu amor, de Beatriz Bracher

Darville Lizis
2013 Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea  
Se a humanidade começou a produzir ficção para tentar explicar o mundo, Beatriz Bracher tece uma espécie de geografia de algo igualmente incognoscível: a paixão. Nesse sentido, transita por diferentes espaços sociais e culturais, em escrita que prioriza a prosa, mas adere igualmente ao verso. "A coruja", por exemplo, chega a remeter à cantiga medieval galego-portuguesa. Goldman afirma que, na tentativa de não se submeter ao sistema, a arte implode a forma. Nas histórias de que tratamos aqui, as
more » ... e tratamos aqui, as palavras dão conta do tema por efeito da simbiose, para benefício da linguagem.
doi:10.35520/flbc.2013.v5n9a17421 fatcat:w7gkjy5ci5geteehybwirwbt64