Uso de águas salinas como alternativa na irrigação e produção de forragem no semiárido nordestino

José L. de A. Silva, José F. de Medeiros, Samara S. V. Alves, Francisco de A. de Oliveira, Manoel J. da Silva Junior, Iarajane B. do Nascimento
2014 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental - Agriambi  
RESUMO A produção de forragem no semiárido brasileiro é limitada, em virtude da variação da quantidade e qualidade da água, e ainda dos solos encontrados na região. Nesse contexto foi desenvolvido um experimento na Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA, em Mossoró-RN. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2 x 3, com três repetições. Os tratamentos resultaram da combinação de dois tipos de solos, um Argissolo Vermelho-Amarelo
more » ... elho-Amarelo eutrófico (PVAe) e um Cambissolo Háplico Ta eutrófico (CXve), com três níveis de salinidade da água de irrigação (A1 - 0,59; A2 - 2,75 e A3 - 5,00 dS m-1). As culturas utilizadas no experimento foram milho e sorgo. As variáveis analisadas ao final do experimento foram: área foliar, matéria seca e teor de proteína bruta. A resposta das culturas à salinidade é dependente das características físicas do solo, sendo mais tolerantes em solo com menor teor de argila. A mistura de águas salinas possibilita a produção satisfatória de forragem sem reduzir o teor protéico. A mistura de águas até se obter condutividade elétrica de 2,75 dS m-1 possibilita economia de 43,3% na água de boa qualidade, com perda de aproximadamente 22% na produção de biomassa.
doi:10.1590/1807-1929/agriambi.v18nsupps66-s72 fatcat:jaiks4i6e5hcjn7snflkdux7j4