Machado lê Camões: releitura de poesia na clave do descontentamento

Vagner Leite Rangel
2016 Revista Crioula  
Objetiva-se apresentar a emulação do soneto petrarquiano num poema de Luís Vaz de Camões (1524-1580) e de Machado de Assis (1839-1908). Para tanto, recorre-se à ideia de emulação, presente nos textos críticos de Machado de Assis, para então apreciarmos "Alma gentil, que te partiste", apropriação camoniana daquele tipo de soneto, e "A Carolina", apropriação machadiana da tradição, tanto no aspecto formal (o soneto petrarquiano) quanto no aspecto conteudístico (o soneto camoniano), inspiração de
more » ... no), inspiração de "A Carolina". Hipótese principal: a forma soneto serviria ao eu-lírico camoniano para homenagear a amada, ao passo que serviria ao machadiano para anunciar a dimensão de seu infortúnio irreparável, imprimindo ao soneto um tom elegíaco. Conclusão: sob o ponto de vista quinhentista, Camões expressaria o descontentamento e encontraria a sua solução no lenitivo religioso, mas, sob o ponto de vista moderno, este será recusada por Machado, que dará, como veremos, outra solução ao problema.
doi:10.11606/issn.1981-7169.crioula.2016.108946 fatcat:u34wp7t4jzhizn6lcnaxabs6iu