O "fato da língua" na materialidade da leitura

M. Onice Payer
2011 Pro-Posições  
Propomos discutir implicações que tem para a prática da leitura o "fato da língua" (sua materialidade histórico-discursiva). Partiremos da compreensão de que a relação do sujeito brasileiro imigrante com as formas linguísticas é marcada por tensões entre a língua portuguesa - predominante como língua nacional, escrita - e outras línguas, silenciadas no domínio público oficial, mas que permaneceram, de algum modo, em certos contextos de imigração, às vezes mescladas ao português. As formas de
more » ... gua silenciadas na história guardam ainda, entretanto, um lugar no sujeito, como memória da língua materna. Já as formas da língua nacional interpelam o leitor em uma relação com a língua atravessada por valores jurídicos (correta, provada). Considerando que ambas as dimensões (nacional e materna) produzem efeito nas práticas de linguagem, procuraremos descrever e compreender certos "processos de identificação sujeito/língua" que se dão através do modo como a memória da estrutura linguística intervém na produção de efeitos de sentido, interpondo-se à relação do leitor com o texto, participando, portanto, do processo de atribuição de sentidos na leitura. O trabalho faz-se no campo da teoria do discurso.
doi:10.1590/s0103-73072011000100003 fatcat:zasycakdpngctdnoxuzujcccsu