Fatores de risco para o parto prematuro em uma maternidade estadual de referência

Bruna Fernanda Almeida, Ananda Madeira Moura Fé Aguiar, Tassio Breno De Sousa Lopes Lavôr, Maria Eliane Martins Oliveira da Rocha, Kleiton Richard Da Silva Araújo
2018 Saúde (Santa Maria)  
Objetivo: Analisar a presença de fatores de risco para o parto prematuro em puérperas de uma maternidade Estadual de referência. Métodos: A pesquisa é um estudo de campo de natureza exploratória descritiva, com abordagem quantitativa. Sendo desenvolvida em uma Maternidade Estadual de referência situada no município de Teresina-PI na qual teve como participantes da pesquisa 57 puérperas que tiveram seus partos prematuros entre os meses de abril e maio de 2014. A coleta de dados ocorreu após
more » ... s ocorreu após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, através de informações obtidas em entrevistas com as puérperas, além da avaliação dos registros sobre seus partos, contidos nos prontuários. Posteriormente os mesmos foram analisados, digitados e tabulados no Microsoft Excel 2010, que se configura como uma ferramenta de tratamento de dados e análise estatística. Resultados: Quanto ao perfil: 35,9% tinham entre 19 e 25 anos de idade, 78,94% eram casadas ou em união estável, 26,30% ensino fundamental incompleto, 50,90% eram trabalhadoras do lar e 59,60% tinham renda de 1 a 3 salários mínimos; quanto a historia clinica: 61,40% eram primíparas, 12,28% já tinham tido parto prematuro prévio, e aborto prévio 14,03%, tiveram hipertensão arterial sistêmica durante a gestação 36,84%, bacteriúria 31,57%, e metrorragia após a 12° semana de gestação 19,29%. Observou-se ainda a presença de patologias encontradas com frequência nas puérperas que tiveram seus recém-nascidos prematuros, sendo elas: pré-eclâmpsia, eclâmpsia, oligodramnia, aminiorrexe prematura, descolamento prematuro de placenta e vulvovaginite. Conclusões: O estudo mostrou que o parto prematuro ocorre com frequência entre mulheres jovens, com situação civil estável, que não trabalham fora de casa e com baixa renda. Outro ponto observado foi a presença de parto prematuro anterior ou aborto prévio, além de problemas como bacteriúria, metrorragia, hipertensão arterial sistêmica e outras doenças que poderiam ter tido um acompanhamento melhor, diminuindo os riscos de parto prematuro.
doi:10.5902/2236583420476 fatcat:qek7hyd6bbh5hlkkjusm7z6l4i