ANÁUSE ESTRUTURAL E QUADRO TECTÔNICO EVOLUTIVO DA BORDA LESTE DO ESPINHAÇO SETENTRIONAL - SUDOESTE DO ESTADO DA BAHIA

GÉLBIO MF. ROCHA
1992 Revista Brasileira de Geociências  
STRUCTURAL ANALYSIS AND TECTONIC EVOLUTION OF THE ESPINHAÇ O SETEN-TRIONAL IN THE SOUTHWESTERN REGION OF THE STATE OF BAHIA. Important concentrations of manganesiferous mineralizations are found hi Southwest of Bahia State disposed in two distinct stratigraphic levels. The earlier one is associated to Licinio de Almeida Complex of Archean/Lower Proterozoic, while the later one is referred to the Borda Leste Depositional Sequence of Middle Proterozoic age. The most important structural features
more » ... tructural features seen in the studied area are: stratigraphical reversal with reversed layers, tight isoclinal folds verging westwards, axial plane slaty cleavage, ductile shear zone, mineral stretching lineation, asymmetric folds verging eastwards and axial plane crenulation cleavage. The structural elements show varied intensity and interference relations suggesting deformational pulses in sequence and not homogeneous. The ordertoexplain the tectonical framework of the region, the polyphase model has been chosen, where the regionally printed deformation results from processes occurring in two large tectonical periods: Pre-Espinhaco and Espinhaço. Pre-Espinhaço tectonics evolved in Transamazonian Cycle (nearly 2.0 Ga) and/or it had taken place in previous cycles and it has only affected Licinio de Almeida Complex rocks in one phase (Do), at least Espinhaço tectonics came into play, ; most probably, at the end of Brasiliano Cycle(about 0.6 Ga) and it also affected die Middle Proterozoic Cover (Espinhaço and Borda Leste depositional sequences). This tectonics has originated three sets of structures printed upon the rocks as phase or subphase recordings (D 1 , D 2 e D 3 ). which are caused by local or regional changes in the application of the tectonic stress. RESUMO No sudoeste do Estado da Bahia, encontram-se concentrações importantes de mineralizações manganesfferas distribuídas em dois níveis estratigráficos distintos. O mais antigo está associado ao Complexo Licinio de Almeida do Arqueano/Proterozóico Inferior e, o mais novo, à Seqüência Deposicional Borda Leste do Proterozóico Médio. As feições estruturais mais importantes encontradas na área estudada são: inversão estratigráfica com inversão de camadas, dobras isoclinais apertadas com vergência para oeste, clivagem ardosiana de plano axial, zonas de cisalhamento dúctil, lineação de estiramento mineral, dobras assimétricas com vergência pára leste, clivagem de crenulação de plano axial. Os elementos estruturais mostram intensidade variada e relações de interferência que sugerem pulsos de deformação seqüenciados e não-homogêneos. Para explicar o arcabouço tectônico da região, optouse pelo modelo poUfásico, no qual a deformação impressa regionalmente é resultante de processos ocorridos em dois grandes períodos tectôm'cos:Pré-Espinhaco e Espinhaço. A Tectônk^Pré-Espinhaço ocorreu no Ciclo Transamazônico (aproximadamente 2,0 Ga) e/ou em ciclos anteriores e afetou somente a rochas do Complexo Licinio de Almeida em pelo menos uma fase (Dn). A Tectônica Espinhaço se processou, mais provavelmente, no final do Ciclo Brasiliano (aproximadamente 0,6 Ga) e afetou também a cobertura do Proterozóico Médio (Seqüências Deposicionais Espinhaço e Borda Leste). Nesta tectônica, originaram-se três conjuntos de estruturas, impressas nas rochas como registros de fases ou subfases (D" D 2 , D 3 ), decorrentes de mudanças locais ou regionais na distribuição do esforço tectônico. Palavras-chaves: Espinhaço Setentrional, sudoeste da Bahia, análise estrutural, evolução tectônica.
doi:10.25249/0375-7536.19991462471 fatcat:hyaqsx74zfdfjkuotd7pgjsqh4