A organização como religião Laica

Fernando Prestes Motta Motta
2001 Organizações & Sociedade  
Se comparamos a vida hoje com 50, 60 anos atrás, é inegável constatar que as pessoas estão cada vez mais dependentes das organizações. As organizações estão presentes de forma absoluta em nosso dia a dia, de tal sorte que podemos até afirmar que elas funcionam como elemento mediador entre as pessoas e a realidade. A área de estudos organizacionais é extremamente multifacetada, tendo recebido influências marcantes das mais diversas perspectivas epistemológicas, desde a sociologia funcionalista
more » ... é a fenomenologia e, mais recentemente, o pós-estruturalismo (Burrell & Morgan, 1979; Reed, 1999). A despeito da marcante heterogeneidade das matrizes epistemológicas do campo, se analisarmos os principais livros anglo-saxões que revisam a área, percebemos que os estudos com base em Freud, bem como as diferentes perspectivas psicanalíticas, ainda encontram pouco apelo entre os teóricos organizacionais. Por exemplo, o clássico Burrell & Morgan (1979), ao apresentar os seus famosos 4 paradigmas da teoria organizacional, faz pouquíssimas menções à Freud e nenhuma aos demais teóricos psicanalíticos. Clegg, Hardy e Nord (1999), em seu amplamente divulgado Handbook, não apresentam nenhuma leitura psicanalítica das organizações. Hatch (1997), ao apresentar as diversas temáticas da teoria das organizações, também não faz qualquer menção à psicanálise. Entretanto, se nos voltamos à tradição de língua francesa de estudos organizacionais, percebemos que este quadro é bastante diferente. A perspectiva psicanalítica tem sido difundida de forma mais sistemática e encontra grande apelo entre os teóricos organizacionais nesta tradição (De Gaulejack; Enriquez e outros).
doi:10.1590/s1984-92302001000300001 fatcat:lvnkrlufzzh5joysizxvn2feqi