A Outra face do horário gratuito: partidos políticos e eleições proporcionais na televisão

Afonso de Albuquerque, Fabro Boaz Steibel, Carolina Maria Zoccoli Carneiro
2008 Dados: Revista de Ciências Sociais  
E m toda campanha eleitoral, a mesma trama se repete: centenas de candidatos -alguns relativamente famosos; a maioria, ilustres desconhecidos -se acotovelam no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral -HGPE em busca de um lugar ao sol nas campanhas para as eleições proporcionais (para os cargos de vereador, deputado estadual ou deputado federal). Diferentemente do que se passa com o uso do HGPE nas campanhas majoritárias (em especial para o cargo de presidente), o uso da televisão nas campanhas
more » ... visão nas campanhas proporcionais tem sido escassamente investigado. Qual é a lógica que preside a distribuição do tempo entre os candidatos? A que interesses ela atende? Que estratégias comunicativas são empregadas? Qual é o impacto efetivo dessas campanhas na decisão do voto? Quase nada tem sido feito para responder a essas questões. Dentre o pouco que existe sobre o assunto, podemos destacar o artigo "Estratégias de Campanha no Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral em Eleições Proporcionais", de Schmitt, Carneiro e Kuschnir (1999). Os autores defendem que o HGPE se apresentaria como um fator de forta-459 * Uma primeira versão deste artigo foi apresentada no II Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política -Compolítica, realizado em Salvador entre 29 de novembro e 1 o de dezembro de 2007. Agradecemos as críticas e sugestões feitas por Luis Felipe Miguel e Alessandra Aldé, além daquelas apresentadas pelos pareceristas anônimos da DADOS.
doi:10.1590/s0011-52582008000200008 fatcat:63ed3rcuvncdlmr2brtdwws6sm