ADEUS AO TRABALHO?: ENSAIO SOBRE AS METAMORFOSES E A CENTRALIDADE NO MUNDO DO TRABALHO

Diego Pessoa Irineu De França
2018 Revista Pegada Eletrônica  
As transformações no mundo do trabalho afetaram a sua forma de ser, atingindo dimensões objetivas e subjetivas dos sujeitos coletivos ou da classe-que-vive-do-trabalho, como nos sugere o autor. O marco disso são os anos 1980, época em que o livro Adeus ao Trabalho(?) aponta que os efeitos não se restringiram ao mundo pobre, abrangendo especialmente o mundo desenvolvido. A quebra dos padrões produtivos trouxe consigo um agravamento dos níveis de degradação dos sujeitos, tornando-os flexíveis, ao
more » ... do-os flexíveis, ao mesmo que acarretou o desmantelamento das organizações sindicais, que estavam assentadas no padrão tradicional de acumulação, no qual o trabalho ainda possuía algum poder de barganha no âmbito fabril e relativa participação nos lucros empresariais. Antunes dará atenção especial a contradição estrutural entre capital-trabalho, atentando como o novo regime de acumulação redefiniu as formas de exploração, assim como fragilizou as formas de lutas tradicionais. Em sua obra veremos como o taylorismo-fordismo deixou de ser exclusivo e passou a se mesclar com formas de acumulação mais voláteis, que recebem várias denominações, a saber: "neofordismo", "neotaylorismo", "pós-fordismo", sobretudo advinda do mundo rico. São várias as características desse novo modelo: "especialização flexível; desconcentração industrial; novas formas de controle da força de trabalho; quebra ou flexibilização dos vínculos; controle de qualidade total etc. Aqui, já fica claro que para o autor a superação do regime flexível sobre o modo anterior, assume uma conotação dialética, à medida que conserva elementos "passados" e introduz outros processos num todo articulado à nova dinâmica social emergente. Isto é, não se tratou de enterrar o fordismo a partir de uma data, depois da qual iniciou-se o toyotismo, seguindo uma linha 1 Resenha sobre a obra de ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? ensaio sobre a centralidade no mundo do trabalho. 15 edição. São Paulo: Cortez, 2011. 2 Doutorando da FCT/Unesp/Presidente Prudente-SP.
doi:10.33026/peg.v19i1.5822 fatcat:5hnfosumm5frpjrsevyfizhofm