CASTRO, José de, Mons. – D. Frei Bartolomeu dos Mártires e outros escritos sobre o Venerável. Org. e intr. Henrique Manuel Pereira. [Bragança]: Diocese de Bragança-Miranda, 2014. 196 p. Presbyterium; 6

Adélio Fernando Abreu
2020
dos Mártires e outros escritos sobre o Venerável. Org. e intr. Henrique Manuel Pereira. [Bragança]: Diocese de Bragança-Miranda, 2014. 196 p. Presbyterium; 6. O arcebispo de Braga D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), beatificado em 2001, integra um universo de prelados do século XVI profundamente comprometidos com a reforma eclesial, como evidencia a sua participação no Concílio de Trento, a sua ação pastoral na arquidiocese de Braga e os escritos que perpetuam o seu ideário reformador.
more » ... ideário reformador. O reflexo do seu pensamento e da sua ação transbordou as fronteiras portuguesas, como mostra o prestígio granjeado no decurso do Concílio ou a difusão das suas obras pela cristandade de então. Viveu e morreu com fama de santidade, conjugando a solidez de doutrina e o zelo reformador com o carácter simples e evangélico do seu viver. O início do seu processo de beatificação remonta à década de 30 do século XVII e deveu-se à iniciativa de D. Rodrigo da Cunha. Depois de demoradas diligências, D. Frei Bartolomeu dos Mártires viria a ser proclamado Venerável por Gregório XVI em 1845. A publicação, em 1946, de Venerável D. Frei Bartolomeu dos Mártires (Arcebispo e Senhor de Braga), da autoria de Mons. José de Castro (1886-1966), inseria-se num esforço desenvolvido pelo autor para dar a conhecer o prelado bracarense e assim fazer avançar o seu processo de beatificação e canonização. Como refere na obra, «necessário é que o nosso Venerável seja conhecido para melhor ser amado e venerado em toda a terra portuguesa, para que em toda ela se instale um grande braseiro de amor, de fé e devoção intensa, de molde a suscitar os dois grandes milagres próprios para a sua beatificação, e mais outros dois para a sua canonização» (p. 41). Para o dar a conhecer, José de Castro abalançara-se na sua obra maior, Portugal no Concílio de Trento, em seis volumes, publicada entre 1944 e 1946. Venerável D. Frei Bartolomeu dos Mártires surge no seguimento dessa obra, como um texto de divulgação vinculado ao objetivo antes referido. É agora reeditado, juntamente com os textos de três conferências do mesmo autor sobre o prelado bracarense, com introdução e organização de Henrique Manuel Pereira, professor da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa no Porto, e uma nota introdutória de D. José Manuel Cordeiro, bispo de Bragança-Miranda. A nova edição, promovida por esta diocese e vinda a lume por ocasião dos 450 anos do regresso de Bartolomeu dos Mártires do Concílio de Trento à arquidiocese de Braga, situa-se na expectativa da sua canonização e homenageia Mons. José de Castro, presbítero da diocese de Bragança e Miranda, que foi consultor eclesiástico da legação de Portugal junto da Santa Sé e que publicou vários trabalhos historiográficos, nomeadamente a obra sobre o Concílio de Trento já referida e os quatro volumes de Bragança e Miranda, estes entre 1946 e 1951. Em Venerável D. Frei Bartolomeu dos Mártires, José de Castro apresenta em nove capítulos a figura do arcebispo bracarense. No primeiro, refere-se sumariamente aos seus biógrafos e à história do seu processo de beatificação e canonização, transcrevendo o decreto das virtudes em grau heroico, de 1845, que o tornava venerável. No segundo, refere-se à sua formação e ao seu percurso na Ordem dos Pregadores, à sua eleição como arcebispo de Braga para suceder a D. Baltasar Limpo, ao seu estilo
doi:10.34632/humanisticaeteologia.2014.9207 fatcat:yawytoss45dgnd5iiii7mr2q3a