Algumas questões decorrentes da reintrodução do Aedes aegypti no Brasil

Pedro Paulo Chieffi
1985 Cadernos de Saúde Pública  
Recebido para publicação em 22/07/85 A reintrodução do Aedes aegypti em inúmeros pontos do território nacional suscita diversas questões de ordem sanitária que merecem atenção especial dos responsáveis pelo planejamento de ações de Saúde Pública, nos âmbitos federal e estadual. Recuando algumas décadas em nossa história, percebe-se que a erradicação do A. aegypti que se tornou um dos objetivos nacionais através do Decreto n o 8.675, de 4/2/1942, já era, desde 1934, extra-oficialmente, uma das
more » ... ialmente, uma das finalidades precípuas do serviço de combate à febre amarela. Sua reintrodução, inicialmente em Belém em 1967 1 , a seguir, em diversas outras localidades e, por fim, nos últimos anos, em grandes centros urbanos como Rio de Janeiro e São Paulo, além de várias dezenas de municípios espalhados por diversos Estados, demonstra a ineficácia de campanhas de erradicação isoladas. Embora espécie alóctone para o continente americano, uma vez que originária da África 4 , o A. aegypti encontrou condições muito favoráveis ao seu desenvolvimento e colonização em terras da América, tornando-se problemática sua completa extinção, a menos que campanha nesse sentido seja desencadeada em todas as áreas afetadas. Fatores associados ao modo de organização das populações humanas têm papel decisivo no estabelecimento de criadouros de A. aegypti, junto aos núcleos populacionais urbanos. A forma complexa e caótica pela qual se processa a urbanização nos países de capitalismo tardio ou dependente, onde o progresso obedece inexoravelmente aos interesses ditados pela necessidade de reprodução do capital, em detrimento do bem-estar da população, cria condições extremamente favoráveis ao estabelecimento de nichos ecológicos que se constituem em excelentes criadouros para o A. aegypti. A necessidade de reciclar rapidamente os bens de consumo duráveis, cuja produção representa a parcela mais destacada do setor industrial da economia de países de industrialização tardia como o Brasil, condiciona a existência de grandes quantidades de depósitos de materiais usados ou em desuso, muitas vezes expostos às intempéries e
doi:10.1590/s0102-311x1985000300011 fatcat:xqbpwhipk5djpccr2nxvbbdejm