USO DE CLORANFENICOL NA GESTAÇÃO

Fernando De S. Del Fiol
2007 Revista Eletrônica de Farmácia  
Recebido em 23/05/2005 -Aceito em 16/06/2005 RESUMO: A gestação representa um problema terapêutico único, quando ao se prescrever um medicamento nesta situação especial, na verdade se está atingindo dois organismos simultaneamente. O adequado tratamento de pacientes gestantes deve considerar, além do(s) agente(s) etiológico(s), o local da infecção, a farmacocinética do antimicrobiano e principalmente a possibilidade de efeitos deletérios para o binômio gestante-feto. A prática clínica tem
more » ... a clínica tem demonstrado que o uso de antibióticos beta-lactâmicos não tem trazido riscos à formação do feto e ao desenvolvimento infantil. Os níveis de resistência dos microrganismos aos antimicrobianos têm aumentando de forma alarmante em todo o mundo de forma que muitas vezes o prescritor terá que fazer outras opções além dos já consagrados beta-lactâmicos. Em outras situações, pode não haver alternativa terapêutica, como no caso de infecções causadas por S. typhi ou meningites por H. influenzae e N. meningitidis. Nestes casos há a necessidade da prescrição do cloranfenicol embora a literatura relate casos de síndrome cinzenta e danos hematológicos para o recém-nascido. Este trabalho mostra uma ampla revisão bibliográfica acerca do uso deste fármaco na gestação e suas implicações. ABSTRACT: Pregnancy represents an unique therapeutic problem. When prescribing over this special condition, the physician must remember that the prescription will affect two people and the drug must treat the mother without affect the fetus. The correct treatment of these women, however, must consider along with pathogens, the infection site and antibiotic pharmacokinetics, the fetus and possible side effects to the child. Betalactams antibiotics having a long history of use without significant deleterious effects on the fetuses still are the safest choice during pregnancy. However, considering the constant increase of multi-resistant microorganisms, the physician has been forced to use some kind of different antimicrobial agent. In some situations we cannot have therapeutic options. S. typhi infections or H. influenzae and N. meningitidis meningitis must be treated with chloramphenicol, although many reports of gray baby syndrome and hematological effects in newborns. The present study is a wide revision regarding the use of this drug during pregnancy.
doi:10.5216/ref.v2i1.1945 fatcat:qouipu5oard7hal6f35fkitur4