A alfabetização sem confins

Mitsi Pinheiro de Lacerda
2017 Educação em Perspectiva  
O artigo indaga sobre algumas condições que configuram a recorrência de uma antiga pergunta nas pautas da educação: "a criança deve ser alfabetizada na educação infantil?". A pergunta é atribuída à figura de um suposto "perguntador" que sustentaria as seguintes crenças: (i) a alfabetização dispõe de início, meio e fim; (ii) a alfabetização é uma prática sistematizada que cumpre currículos prescritos, é direcionada por métodos e aprimorada por exames e (iii) o alfabetizar difere do brincar. As
more » ... re do brincar. As conversações que tratam da existência desta pergunta são conduzidas em diálogo com diversos autores e com breve observação realizada na educação infantil. O artigo está dividido em três partes e, a princípio, há o convite por observar com estranhamento a pergunta, de forma a desvelar algumas concepções que a influenciam. A seguir, é inserido um relato de forma a buscar pistas de práticas alfabetizadoras. Por fim, as conclusões refutam a concepção mecanicista de alfabetização.
doi:10.22294/eduper/ppge/ufv.v8i1.684 fatcat:ysri37lfjnbt7frx442t4jebf4