Injeção percutânea de etanol dirigida pelo ultra-som no tratamento dos nódulos tireóideos

Rosalinda Y. A. de Camargo, Eduardo Kiyoshi Tomimori
1998 Arquivos brasileiros de endocrinologia e metabologia  
A INJEÇÃO PERCUTÂNEA DE ETANOL (IPE) tem sido utilizada há muitos inos como um tratamento alternativo no controle de diversas patologias benignas e malignas. O efeito esclerosante do etanol tem sido reconhecido há vários anos e empregado com sucesso no controle de lesões nodulares benignas e malignas (1-6). Nas lesões malignas do fígado, sabese que o etanol causa uma desidratação celular, desnaturação proteica, necrose e trombose de pequenos vasos (7) . Na moderna tireoidologia, este método
more » ... ia, este método terapêutico tem sido empregado com sucesso no tratamento dos nódulos císticos e dos nódulos autônomos. Vários trabalhos desenvolvidos para tratamento das lesões nodulares da tireóide com IPE demonstraram a eficiência e segurança do método (8-10). A injeção percutânea de etanol pode ser uma alternativa aos pacientes portadores de lesões nodulares da tireóide, que tenham indicação cirúrgica e que recusam esta forma de tratamento, ou que apresentem alto risco cirúrgico. As lesões císticas benignas da tireóide são tratadas preferencialmente pela IPE. Os pacientes portadores de nódulos autônomos são normalmente encaminhados para o tratamento com radioiodo ou cirúrgico. Quando houver algum impedimento para estas alternativas, consideramos a opção da IPE. Já os portadores de lesões nodulares da tireóide submetidos ao tratamento esclerosante com etanol em nosso ambulatório são geralmente pacientes idosos, com lesão nodular única ou um nódulo dominante em um bócio multinodular, que apresentam compressão de estruturas cervicais e que não tenham condições clínicas para se submeterem ao tratamento cirúrgico. Os pacientes submetidos à cirurgia que apresentarem novas lesões nodulares também podem ser beneficiados pela IPE. Em nossa opinião, todas as modalidades terapêuticas devem ser consideradas diante de um paciente portador de um nódulo tireóideo. Não existe um tratamento que possa ser indicado para todos pois nem sempre o procedimento mais indicado para um paciente o é para outro. É importante conhecermos detalhadamente todos os recursos terapêuticos disponíveis, para que no momento certo, saibamos escolher o mais adequado para cada caso. A percepção do equilíbrio dos fatores que tendem a favor ou contra uma determinada modalidade terapêutica para cada paciente, somada à experiência e o conhecimento do tireoidologista de todas as formas de tratamento disponíveis é que vão determinar a melhor conduta para cada indivíduo. O tratamento esclerosante com etanol é um tratamento alternativo à terapia supressiva com LT-4, ao radioiodo e à cirurgia, nas lesões benignas e em determinados casos de lesões malignas da tireóide. ALTERAÇÕES ANATOMOPATOLÓGICAS INDUZIDAS PELO ETANOL Na periferia da lesão, distante da área de necrose central, ocorrem alterações vasculares, como lesões no endotélio e trombose, levando ao infar-
doi:10.1590/s0004-27301998000400009 fatcat:mj6ntgpcyfg2xotkd4qbn2gvhy