Coralistas amadores: auto-imagem, dificuldades e sintomas na voz cantada

Ana Cristina de Castro Coelho, Irandi Fernando Daroz, Kelly Cristina Alves Silvério, Alcione Ghedini Brasolotto
2013 Revista CEFAC  
OBJETIVO: conhecer a auto-imagem, dificuldades e presença de sintomas negativos após o canto em coralistas amadores com diferentes classificações vocais, idades e experiência. MÉTODO: cento e vinte e cinco cantores responderam a um questionário que abordou dados de identificação, informações sobre a auto-imagem da voz cantada, dificuldades apresentadas no canto e ocorrência ou não de sintomas vocais após o canto. RESULTADOS: a comparação por naipes evidenciou maior dificuldade na emissão de
more » ... e na emissão de sons agudos para os contraltos e baixos, maior dificuldade na emissão graves para os sopranos, maior dificuldade na transição de registro grave para agudo para os baixos, e maior cansaço vocal para os contraltos. Na divisão por idade, tanto adultos jovens e adultos referiram maior soprosidade do que os idosos. Os adultos referiram melhor intensidade vocal do que adultos jovens. Os adultos jovens consideraram seu timbre de voz adequado mais frequentemente do que adultos. Em relação à experiência, os cantores menos experientes referiram percepção de voz rouca em maior número do que os cantores mais experientes, que referiram apresentar intensidade adequada durante o canto em maior número do que os demais. Cantores menos experientes referiram maior ocorrência de rouquidão após o canto do que cantores mais experientes. CONCLUSÃO: as dificuldades encontradas no canto estão atreladas ao naipe, e não dependem da idade e nem da experiência. Sintomas estão relacionados ao naipe e ao grau de experiência com o canto. A auto-imagem vocal negativa também está relacionada ao naipe e ao nível de experiência, sendo que a auto-imagem positiva é mais comum em cantores experientes.
doi:10.1590/s1516-18462013000200021 fatcat:qbzxoulah5bhrapcvesycjbdmi