Administração Organizacional e Financeira Sob a Ótica de um Estúdio Funcional: Entraves e Perspectivas

Marcos Vinicius Dalagostini Bidarte, Silvia Amélia Mendonça Flores, Camila dos Santos Pinto, Claudia Maria Dias Guerra Disconzi, Michele Bielinski
2016 Mostra de Iniciação Científica, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão  
RESUMO De forma a buscar apoio nas decisões gerenciais e a profissionalização da Administração no setor financeiro de uma empresa, os gestores devem estar cientes da importância que os instrumentos financeiros possuem, dentre os quais se pode citar o fluxo de caixa. O objetivo geral da presente pesquisa foi verificar a estrutura financeira da empresa Mais Saúde e propor a elaboração de um fluxo de caixa a partir de seus registros financeiros. A presente pesquisa possui natureza empírica, de
more » ... za empírica, de abordagem qualitativa e quantitativa. Quanto a sua caracterização, trata-se de uma pesquisa descritiva e de um estudo de caso. A técnica de coleta de dados consistiu na análise de documentos para elaboração do fluxo de caixa, entrevistas nãoestruturadas para informações adicionais e observação participante para compreender a estrutura organizacional da empresa. Constatou-se que a empresa possuía apenas um instrumento financeiro inadequado, sendo então proposta a elaboração do fluxo de caixa. O fluxo de caixa teve uma real importância para a administração financeira da organização, pois permitiu um maior controle mensal das entradas e saídas de caixa. Palavras-Chave: Fluxo de caixa; Administração financeira; Estúdio funcional. INTRODUÇÃO O atual ambiente de mercado mostra-se como um dos grandes entraves para os gestores, visto que estes devem administrar as organizações de acordo com as diversas transformações do cenário, como também as deliberações da concorrência. Cada vez mais as empresas buscam por novas ferramentas gerenciais visando obter vitórias sobre seus concorrentes. Neste sentido, os gestores devem estar cientes da importância que os instrumentos financeiros possuem frente à tomada de decisões gerenciais e qual a representatividade do setor financeiro para a organização (SILVA, 2013). Contudo, a organização como um todo deve ser gerenciada de forma holística, visando sempre almejar os seus objetivos (ROSS; WESTERFIELD; JAFFE, 2008). Muitas empresas não possuem um órgão em específico que possua o compromisso de gerenciar suas operações financeiras, ficando a responsabilidade da gestão, neste caso, entre o proprietário e a contabilidade. A isto estão relacionadas diversas razões que podem levar empresas ao fracasso, dentre as quais se podem destacar a falta de crédito/capital, a concorrência e os problemas particulares dos proprietários da mesma. Há de se atentar também ao não monitoramento das finanças da organização, ou seja, o proprietário não acompanha de forma regular e contínua os resultados do faturamento e nem as despesas mensais. Ocorre ainda que grande parte dos donos destas empresas não estabelecem um pró-labore que seja condizente com a capacidade da empresa e com as funções exercidas pelo proprietário; o pró-labore deve ser estabelecido em observância à remuneração de um profissional que desempenhe atividades semelhantes no mercado. Além disso, é comum a não separação das receitas e despesas da pessoa física da jurídica pelos empreendedores (SEBRAE-RS, 2007; SILVA, 2012; OLIVEIRA, 2005) . Nesse contexto, faz-se necessário que haja a profissionalização da Administração no setor financeiro da empresa (GITMAN, 2010; SILVA, 2012) . A profissionalização pode
doi:10.18226/35353535.v5.2016.11 fatcat:nomejpo5bjbxfndxoromd3toca