Variação diurna e sazonal do pH e composição mineral da seiva do xilema em tomateiro

Maria Neudes S. Oliveira, Marco Antonio Oliva, Carlos Alberto Martínez, Marco Aurélio P. e Silva
2003 Horticultura Brasileira  
Variações diárias e sazonais do pH e composição mineral da seiva do xilema foram medidas em plantas de tomateiro com 40 dias, cultivadas em solução nutritiva e em casa de vegetação, visando avaliar os fatores que regulam sua variação. No primeiro experimento, a seiva foi coletada, sempre às 9:00 horas, em alguns meses do ano, em plantas da mesma idade. No segundo, a coleta da seiva ocorreu ao longo do dia, sempre na mesma planta. No terceiro, a seiva foi coletada em dois locais na planta, a 5
more » ... is na planta, a 5 cm acima do colo e na base do pecíolo da 5ª folha. Na seiva, avaliaram-se o pH e as concentrações de Ca+2, K+, Mg+2, NH4+, NO3-, PO4-3 e SO4-. O pH variou de 5,3 a 6,4 no período experimental. pH acima de 6,0 ocorreu nos meses com maior temperatura média ambiente e o menor valor, 5,4, nos meses com menor temperatura ambiente. Potássio foi o cátion e nitrato o ânion encontrados em maior concentração na seiva.Considerando a variação diurna, uma maior concentração de nitrato, proporção cátions/ânions e pH ocorreram na seiva coletada à tarde. Considerando a variação sazonal, a maior concentração de nitrato e a proporção cátions/ânions ocorreram na seiva coletada nos meses com menor temperatura média e menores valores de pH. O pH da seiva exsudada do caule a 5 cm acima do colo foi menos ácido (pH 6,13) quando comparado ao pH da seiva exsudada no pecíolo da 5ª folha (pH 5,64). Os resultados sugerem que os fatores que regulam o pH da seiva influenciam diferentemente nas variações diurna e sazonal do pH.
doi:10.1590/s0102-05362003000100002 fatcat:hkii5zay5jev3c5n5fcsyijkmu