Parafusos pediculares no tratamento da cifose de Scheuermann: resultados e complicações

Rodrigo D'Alessandro de Macedo, Márcio Fim, Bruno Pinto Coelho Fontes
2008 Revista Brasileira de Ortopedia  
toracotomia aberta, seguida por instrumentação posterior com sistema de parafuso pedicular vertebral posicionados pela técnica de mão livre. Préoperatoriamente, os pacientes foram analisados pela escala analógica visual (EVA) de dor e radiografias. No pós-operatório, foi analisado o grau de correção da curva, complicações, EVA para dor e nível de satisfação com a cirurgia. A média de seguimento foi de 37,5 meses (12,6-61,7 meses). Resultados: Cifose pré-operatória variou de 66° a 94°, com média
more » ... 6° a 94°, com média de 77,6°, e média da EVA de 6,6 pontos. No pósoperatório a cifose média foi de 35,8° (variação de 23° a 50°), sendo obtida média de correção de 53,8%. A EVA foi de 0,6 ponto, com todos os pacientes, exceto um, satisfeitos com o resultado da cirurgia. Dentre as complicações: soltura de dois parafusos em um paciente, com necessidade de reintrodução e extensão da instrumentação, um paciente com infecção superficial resolvida clinicamente, uma quebra assintomática de parafuso e um paciente com infecção tardia resolvida com a retirada do implante. Conclusão: O tratamento cirúrgico da cifose de Scheuermann, usando liberação e fusão anterior por toracotomia aberta seguida por instrumentação posterior com sistema de parafuso pedicular vertebral por meio da técnica de mão livre, mostrou-se, nessa série de pacientes, segura e eficiente. Descritores -Doença de Scheuermann; Cifose; Deformidade / coluna vertebral; Fusão espinhal; Toracotomia; Escala visual analógica de dor
doi:10.1590/s0102-36162008000100004 fatcat:s6usavvc3vgtrah4syo7oouju4