Flora vascular de um inselbergue no estado da Paraíba, Nordeste do BrasilDOI:10.5007/2175-7925.2011v24n4p39

Elisabeth Tolke, Joan Bruno Silva, Acácia Renally Lopes Pereira, José Iranildo Miranda de Melo
2011 Biotemas  
Resumo Este trabalho caracterizou a composição fl orística de um inselbergue no município de Puxinanã, estado da Paraíba, Nordeste do Brasil. Foram registradas 97 espécies distribuídas em 35 famílias. Asteraceae (12 spp.), Euphorbiaceae e Fabaceae (nove spp. cada), Rubiaceae e Convolvulaceae (oito spp. cada) foram as cinco famílias melhor representadas em número de espécies, englobando 47,42% do total das registradas. O hábito herbáceo foi o predominante estando presente em 39% das espécies. Em
more » ... 9% das espécies. Em seguida, sobressaíram-se as espécies arbustivas (22%), trepadeiras (20%), e com um número menor de representantes os hábitos rupícola (6%), subarbustivo (5%), arbóreo (4%) e epífi to (1%). Passifl ora luetzelburgii Harms (Passifl oraceae), constitui nova referência para a fl ora do estado. Os dados obtidos fornecem subsídios para implementação de possíveis ações conservacionistas e o uso racional da área estudada e para a fl ora e vegetação da Caatinga. Abstract Vascular fl ora of an inselberg in the state of Paraíba, in Northeast Brazil. This study characterized the fl oristic composition of an inselberg in the Puxinanã municipality, of Paraíba, in Northeast Brazil. Ninety-seven species were recoded that belong to 35 families: Asteraceae (12 spp.), Euphorbiaceae and Fabaceae (nine spp. each), Rubiaceae and Convolvulaceae (eight spp. each) were the richest families, comprising 47.42% of the total species registered. The herbaceous habit was predominant, occurring in 39% of the species, followed by species of shrubs (22%), vines (20%), rupicolous plants (6%), subshrubs (5%), trees (4%) and epiphytes (1%). Passifl ora luetzelburgii Harms (Passifl oraceae) is a new record for the fl ora of the state. The data from this study provides information that could be used in the conservation and rational use of the study area, and contributes to what is known about the fl ora and vegetation of the Caatinga.
doi:10.5007/2175-7925.2011v24n4p39 fatcat:ix3mg5jnvza5hchfkdlujfkehu