CONTROLE DO PULGÃO-DO-ALGODOEIRO E DISTRIBUIÇÃO DE GOTAS DE PULVERIZAÇÃO EM FUNÇÃO DO ESPAÇAMENTO ENTRELINHAS E ÂNGULO DE APLICAÇÃO

Izidro Dos Santos de Lima Junior, Paulo Eduardo Degrande, Cristiano Marcio Alves de Souza, Antonio Luiz Viegas Neto, Elmo Pontes de Melo
2019 Revista Engenharia na Agricultura - REVENG  
A eficácia do tratamento fitossanitário depende não apenas da quantidade de material depositado sobre a vegetação, mas também da uniformidade de cobertura do alvo e de como esse material é depositado. Em vista disso, o presente trabalho teve por objetivo avaliar qual melhor ângulo de deslocamento do pulverizador na aplicação de inseticida em relação ao sentido de semeadura do algodoeiro, cultivado nos sistemas ultra-adensado (0,22 m), adensado (0,45 m) e convencional (0,90 m) para o controle do
more » ... para o controle do pulgão-do-algodoeiro. O experimento foi instalado em parcelas sub-subdivididas com quatro repetições, sendo três sistemas de cultivo do algodoeiro e quatro ângulos de deslocamento do conjunto trator/pulverizador em relação à direção das linhas de semeadura. As variáveis analisadas foram: número de pulgão e porcentagem de controle nos três diferentes terços da planta de algodão – para contagem da população de pulgão, as plantas foram divididas em três diferentes partes verticais em relação ao nível do solo, chamados de "terço": inferior, médio e superior – na avaliação prévia (antes da aplicação) e aos 2, 5, 8 e 11 dias após a aplicação. A população de pulgão foi maior nos espaçamentos de 0,45 e 0,90 m na avaliação prévia. O pulgão se concentrou no terço superior da planta, em todos os espaçamentos. O ângulo de 90° apresentou a maior porcentagem de controle em todas as avaliações, independentemente do espaçamento entrelinhas.
doi:10.13083/reveng.v27i3.908 fatcat:w6z6x7kdzbaltdrm7twpwq25ii