Política, colonização e revolução em O Leão de sete cabeças

Irma Viana
2017 Civitas  
Produção italiana, realizada no Congo, África, em 1970, O Leão de sete cabeças é, segundo seu diretor, "um ato político-cultural de colaboração com a noção de luta tricontinental", teorizada pelo guerrilheiro argentino Che Guevara. Considerado aqui como aplicação do manifesto Tricontinental, o filme tornou-se um importante documento histórico, cuja análise pode revelar não só os símbolos culturais e alegorias políticas que se articulam no cinema antropológico de Glauber Rocha, como também, as
more » ... , como também, as visões ideológicas dos atores sociais envolvidos em questões de dependência e resistência colonialista e neocolonialista no Terceiro Mundo. A partir do ponto de vista de um artista-intelectual latino-americano, que buscava uma poética política, que, todavia, escapasse ao domínio cultural e econômico das forças produtivas mercadológicas, fossem elas socialistas ou imperialistas. Levando em conta que o cineasta faz de sua filosofia mestiça uma problematização da possessão, do poder, da violência. Mas não responde a estes problemas construindo um sistema e sim buscando ficções úteis, no duplo sentido em que as pensaram Eisenstein e Brecht: como didáticas e politicamente ativas, encenadas, no Leão, sob a forma do "teatro popular africano", segundo o próprio Glauber Rocha.
doi:10.15448/1984-7289.2017.2.26022 fatcat:ltputwabejdzfjlnlfxejbcd6e