Mortalidade por câncer gástrico no estado do Pará, 1980-1997

Ana Lucia da Silva Resende, Inês Echenique Mattos, Sergio Koifman
2006 Arquivos de Gastroenterologia  
RACIONAL: O câncer gástrico vem apresentando uma diminuição da incidência e da mortalidade em vários países, inclusive no Brasil. Entretanto, ainda se constitui em importante problema de saúde pública, especialmente no Estado do Pará, onde as taxas de mortalidade apresentam valores acima da média brasileira. OBJETIVO: Analisar os padrões de distribuição da mortalidade por câncer gástrico no Estado do Pará e em Belém, nas duas últimas décadas. MATERIAL E MÉTODOS: Os dados de mortalidade foram
more » ... ortalidade foram obtidos no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde e as informações populacionais a partir dos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Foram calculadas taxas de mortalidade por câncer gástrico para o conjunto da população e segundo sexo, ajustadas por idade, para cada triênio no período 1980-97, para o Estado do Pará e para Belém. A tendência das taxas padronizadas de mortalidade por câncer de estômago foi analisada com base em modelos de regressão linear. RESULTADOS: As taxas padronizadas de mortalidade por neoplasia de estômago, em Belém, apresentaram magnitudes bastante elevadas (27,2 a 15,8/100.000), comparativamente a outras capitais brasileiras e países. A magnitude das taxas do sexo masculino foi bastante superior a das mulheres, sendo que, em Belém, a razão de sexo manteve-se próxima a 3,0 em todos os períodos analisados, com exceção de 1995-97. No Estado do Pará, observa-se tendência de queda das taxas de mortalidade em ambos os sexos, mais marcante no sexo masculino, no período de estudo. Em Belém, também se configurou uma tendência de declínio em todas as faixas etárias. Apesar do declínio observado, as taxas de mortalidade por câncer de estômago em Belém, no final da série (1995-97) era ainda superior àquelas existentes, em 1980-82, em algumas capitais de Estados da federação. CONCLUSÃO: Apesar do declínio observado, as taxas de mortalidade por câncer de estômago em Belém, no final da série (1995-97) era ainda superior àquelas existentes, em 1980-82, em algumas capitais de Estados da federação.
doi:10.1590/s0004-28032006000300018 pmid:17160244 fatcat:uaqgoun32vfbhbous3hvbyuxei