Sobre caminhos não formais de educação em dança

Fernando Borges Barcellos
2020 OuvirOUver  
A partir do relato da minha experiência de trabalho como diretor do Grupo Jovem de Dança, entre setembro de 2013 e outubro de 2016, proponho-me a construir uma autoetnografia que busca analisar as estratégias não formais de educação em dança nas experiências do grupo, referenciando-me à discussão de Maria Glória Gohn (2006; 2014) sobre o assunto. Assim, pretendo dar pistas sobre como essas estratégias podem ampliar a formação construída nas escolas, entendidas como contextos formais de educação.
doi:10.14393/ouv-v15n2a2019-48969 fatcat:e7cx44rdcncgtayivrnd3iibwm