Das Tulherias a Amarante. Pode a literatura ser uma forma de história?

Ricardo Namora
2012 Carnets  
doi:10.4000/carnets.7655 fatcat:m2dixeqxcbgllcapi24n7iugoy