OS CONTRABANDISTAS DO PENSAMENTO - IMPASSES DA CRÍTICA LITERÁRIA BRASILEIRA NO FINAL DO SÉCULO XIX

Maria Lúcia Outeiro Fernandes
2001 Revista letras  
O esforço para criar uma crítica literária brasileira, bem como uma literatura autônoma e original, gerou uma dupla necessidade para os autores do século XIX: determinar os objetivos da crítica e estabelecer a definição e a caracterização da literatura brasileira. O objetivo deste trabalho é verificar como os principais críticos da fase realista-naturalista – Machado de Assis, Sílvio Romero, José Veríssimo e Araripe Júnior – posicionam-se em relação a esse duplo projeto, comparando as suas
more » ... arando as suas contribuições para a construção de uma epistemologia crítica, sobretudo para a definição e a caracterização da literatura brasileira e, conseqüentemente, para a fixação de um cânone que desse suporte a esses construtos. Entre as questões teóricas que direcionam a discussão do assunto proposto, destacam-se: o caráter histórico dos conceitos de literatura, periodização e literatura nacional; as complexas relações entre história, contexto cultural e discurso; e os compromissos ideológicos dos autores. Abstract The endeavour to create a Brazilian literary criticism, and also an autonomous literature, brought before the 19th century critics a double requirement: clarify the objectives aimed by criticism as well as define and characterize Brazilian literature. This work aims at examining how the realistic and naturalistic critics – Machado de Assis, Sílvio Romero, José Veríssimo e Araripe Júnior – stand with regard to that double project, by comparing their contributions for the construction of a critical epistemology, above all for the definition and characterization of Brazilian literature and, as a result, for fixing a canon that could support those constructs. Among the theoretical questions that steer the discussion about the proposed subject, the article emphasizes: the historical character of the concepts like literature, periodicity and national literature; the intricate connections between history, cultural context and discourse; and the ideological engagement of the authors.
doi:10.5380/rel.v55i0.2818 fatcat:x5eru2ymu5aollvym3skg3mc5y