Expedição a Mato Grosso, 1947: geografia, paisagem e lembrança

Joana Passi de Moraes
2018 O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira  
Resumo: Em 1947, uma expedição organizada pela Universidade do Brasil (UB), no Rio de Janeiro, rumou para Mato Grosso e percorreu Campo Grande, Corumbá, Nhecolândia e o Pantanal Mato-Grossense. O grupo foi composto por estudantes da Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, coordenados pelo professor Hilgard O'Reilly Sternberg, e estudantes do Instituto Rio Branco, liderados pelo diplomata, professor e escritor João Guimarães Rosa. Informações sobre esta expedição pouco
more » ... dição pouco aparecem nos registros de literatura e arte, constando apenas em passagens vagas e incompletas sobre o período na bibliografia de Rosa. A história desta expedição será brevemente apresentada com base numa investigação (ainda em processo) em arquivos públicos e privados. Uma reflexão baseada no discurso de posse de Rosa na Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, abordará a sua relação com a poesia e a geografia. O texto "Sanga Puytã" (1947), do autor, será explorado em um exercício para compor um esboço da paisagem da expedição. O artigo se encerra com a argumentação sobre o uso da linguagem verbo-visual e de ferramentas para compor a história da expedição de1947 ao Pantanal.Palavras-chave: João Guimarães Rosa; Sanga Puytã; investigação artística; paisagem; memória.Abstract: In 1947, an expedition organized by the University of Brazil (UB), in Rio de Janeiro, went to Mato Grosso and traveled through Campo Grande, Corumbá, Nhecolândia and the Pantanal. The group consisted of students from the National Faculty of Philosophy of the University of Brazil, headed by professor Hilgard O'Reilly Sternberg, and students from the Rio Branco Institute, led by the diplomat, professor and writer João Guimarães Rosa. Information about this expedition is scarcely registered in literature and art records, found only in vague and incomplete passages about the period in Rosa's bibliography. The history of this expedition will be briefly presented, as a result of an investigation, which is still in process in public and private archives. A reflection based on Rosa's inauguration discourse, in the Geography Society of Rio de Janeiro, will deal with his relation with poetry and geography. The text "Sanga Puytã" (1947) will be explored as an exercise to compose a sketch of the expedition's landscape. The article is concluded with an argument about the use of verbal-visual language and tools to compose the history of the 1947 Pantanal expedition.Keywords: João Guimarães Rosa; Sanga Puytã; artistic research; landscape; memory.
doi:10.17851/2358-9787.27.3.199-220 fatcat:nr7xijqkmraq5nhcdto35gh5qy