Solos e superfícies de erosão: uma contextualização da evolução da paisagem na Serra do Espinhaço Meridional (SdEM), Minas Gerais

César Augusto Chicarino Varajão, Angélica Fortes Drummond Chicarino Varajão, Fábio Soares De Oliveira, Helen Nébias Barreto, André Augusto Rodrigues Salgado
2020 Zenodo  
O estudo investigou a evolução da paisagem da Serra do Espinhaço Meridional (SdEM), MG, através da caracterização macromorfológica, mineralógica, micromorfológica e química de solos desenvolvidos nas principais unidades lito-estratigráficas da região. Ocorrem principalmente Neossolos e Cambissolos, decapeados e cobertos discordantemente por um paleopavimento. Considerando as variações climáticas, as superfícies de erosão e as recentes datações dos solos, entendemos que após um longo período sob
more » ... m longo período sob condições desérticas no Cretáceo (Superfície Pós-Gondwana) até o Paleoceno (Superfície Sul-Americana), ocorreu uma abrupta variação climática no Eoceno, em que condições quentes e úmidas formaram os mantos de alteração e o desmantelamento dos veios de quartzo presentes nas unidades subjacentes (Supergrupo Espinhaço). Estas condições também estiveram presentes durante o Mioceno, desaparecendo no Plioceno, onde a instalação de um novo clima desértico promoveu o desaparecimento da vegetação e a consequente erosão-decapitação dos perfis de solo. Neste contexto se formou o paleopavimento regional supracitado, interpretado como contemporâneo à Superfície Velhas. Sobre ele, durante o Quaternário, formaram-se inúmeras turfeiras, que sugerem condições climáticas regionais amenas.
doi:10.5281/zenodo.3925677 fatcat:cj4zpdaxqrdilj3zx32ate7bsa