O respeito á magistratura e o respeito á liberdade de defesa

J. M. de Azevedo Marques
1938 Revista da Faculdade de Direito Universidade de São Paulo  
II nu a pas possibilite de défendre sans attaquer" (Decisão da Corte Suprema de Paris) Verdade essa intuitiva que a Corte civilizada de Paris proclamou, mas que nem sempre, entre nós, tem sido bem compreendida. A observação reiterada, durante quatro anos na presidência desta secção da Ordem dos Advogados, levou-me a refletir muito, relativamente a queixas contra palavras e conceitos emitidos por advogados, e m autos, supostamente desrespeitosos de magistrados. Cumpre estabelecer as teses que
more » ... cer as teses que conciliem o respeito devido á magistratura com o respeito devido á defesa de direitos, defesa que é u m dever essencial do advogado, dever que, entretanto, se não cumpre sem liberdade. Liberdade que se não exerce sem golpes contra golpes. A questão está no modo e na bôa fé do golpe, que o talento e a educação devem saber desferir. Disse bem o célebre advogado CARTIER, defendendo o (*) Estudo do presidente da Ordem dos Advogados, Secção de S. Paulo, oferecido ao ilustre colega DR. W A L D E M A R TEIXEIRA DE CARVALHO. O Conselho o aprovou mandando publicar.
doi:10.11606/issn.2318-8235.v34i3p93-103 fatcat:nlxgw7eyfjdrvbm2sumid4owx4