Seated living- an indulgence at peril to health: how biology and behaviour conspire to entrench sedentary lifestyles

Michael Chia
2016 Annals of Research in Sport and Physical Activity  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. Seated living-an indulgence at peril to health: how biology and behaviour conspire to entrench sedentary lifestyles Autor(es): Chia, Michael Publicado por: Imprensa da Universidade de Coimbra ABSTRACT Far more people are engaged in prolonged sitting as a matter of habit for work, transport and for leisure and it appears that both 'nature and nurture' contribute to this entrenched behaviour of choice. The health risks associated with prolonged sitting are higher than those for smoking. This exposes large segments of sedentary populations to shortened lifespans. More research and holistic intervention approaches in getting people to 'sit less and move more' are required to reverse-engineer sedentary behaviours in all segments and contexts of society. KEY WORDS: Inactivity physiology, sitting is the new smoking, new intervention approaches
doi:10.14195/2182-7087_7_1 fatcat:sa4q3rsukje5xpcqckzg7ybxwm