Estética organizacional

Thomaz Wood Jr, Paula Csillag
2001 Organizações & Sociedade  
Estamos acostumados a imagem de empresas como arranjos racionais e utilitários. Entre acadêmicos, e principalmente entre executivos, quem mencionar a palavra estética associada a questões empresariais correrá o risco de ser mal compreendido ou de não ser levado a sério. Entretanto, contra a corrente positivista-funcionalista dominante em estudos organizacionais, alguns pesquisadores vêm se apropriando de conceitos relacionados à estética e aplicando-os à compreensão de fenômenos
more » ... nos organizacionais. Neste ensaio introdutório, afiliamo-nos a esta corrente alternativa e propomos a percepção estético-visual como recurso para a apreensão e compreensão de fenômenos organizacionais. Apresentamos algumas abordagens para o tema, a partir do trabalho de pesquisadores americanos e europeus, e discutimos brevemente exemplos de aplicação. Acreditamos que a perspectiva estética possa abrir novos caminhos para a percepção e interpretação de fenômenos complexos em nosso campo de estudo e pesquisa.
doi:10.1590/s1984-92302001000200002 fatcat:hrnp3td76bfylkdc3cnrhb3flu