Edições bilíngue (português/francês) e unilíngue (francês) de "O Alienista" de Machado de Assis: domesticação, estrangeirização e modalidades linguísticas em duas traduções de mesma autoria

José Roberto Andrade Féres
2013 Scientia Traductionis  
Resumo: Este artigo analisa duas traduções d'O Alienista, de Machado de Assis, para a língua francesa, ambas feitas pela mesma tradutora, Maryvonne Lapouge-Pettorelli, uma delas publicada em uma edição bilíngue (português/francês) e a outra em uma edição unilíngue (francês). O objetivo é investigar, a partir dos termos de Lawrence Venuti, se uma delas seria mais estrangeirizadora ou domesticadora que a outra, sobretudo por se conjeturar que uma edição bilíngue geralmente apresente estratégias
more » ... sente estratégias que pendem para a estrangeirização, já que o seu consumidor tende a ter um maior interesse pela língua e pela cultura estrangeira que o consumidor de uma edição unilíngue. Para tal estudo, faz-se um breve exame dos elementos paratextuais das edições em questão e, lançando-se mão da teoria semântica de Bernard Pottier sobre a modalização, analisam-se as modalidades linguísticas (que são, segundo Maria Helena de Araújo Carreira, as marcas materiais da subjetividade do enunciador) apresentadas no texto original em comparação com aquelas que figuram nas duas traduções, buscando-se dali depreender o grau de subjetividade da própria tradutora em cada uma das edições. Recorre-se a tal teoria pelo fato Abstract: This paper analyzes two
doi:10.5007/1980-4237.2013n14p152 fatcat:ievqpbnwlfbefhcqufc2nzoppi