Juízo de gosto e crítica de arte: uma análise dos conceitos de reflexão e autoonomia

Júlia Casamasso Mattoso
2011 Synesis  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. Juízo de gosto e crítica de arte: uma análise dos conceitos de reflexão e autoonomia Autor(es): Mattoso, Júlia Casamasso Resumo: Tal artigo pretende analisar a autonomia presente no juízo de gosto kantiano a fim de compreender como tal juízo pode servir de base para a crítica de arte. Procuraremos mostrar que julgando de forma autônoma o sujeito está provando o seu gosto, assim como o crítico que procura exprimir uma reflexão genuína sobre a obra de arte. Podemos entender que ambos procuram, não só pelo equilíbrio entre a força de se afirmar e a possibilidade de sustentar se em frente a juízos contrários, mas também pela justa medida entre gosto e subjetivismo. Palavras-chave: Reflexão; autonomia; juízo de gosto; crítica de arte. Abstract: This article intends to analyze the autonomy in Kant's judgment of taste in order to understand how such judgment could be used as a basis for the criticism of art. We will show that judging autonomously, the subject is indeed tasting itself, as well as the critic who pursuits expressing a genuine reflection over the work of art. We can understand that both are seeking, not only the balance between the strength to assert and the possibility to sustain itself facing opposite judgments, but also the fair measure between taste and subjectivism.
doi:10.14195/1984-6754_3-1_4 fatcat:xgoqzwi7yffzvaalxfkw7bgvvu