Controle de endemias: responsabilidades municipal e regional

Maria Rita Donalísio
1995 Saúde e Sociedade  
Nota-se no Brasil, a completa falta de controle de doenças como a malária, cólera, leishmaniose, dengue, tuberculose, meningites, tracoma, entre outras. Nos últimos anos, as cifras da malária beiram os 600.000 casos anuais (95% na região Norte e Centro Oeste), sem que os serviços de saúde tenham qualquer impácto na disseminação da doença. A Cólera se espalhou pelo continente americano a partir de 1991 e atualmente no Brasil, já foi incorporada como uma doença endêmica, principalmente em regiões
more » ... palmente em regiões pobres do Nordeste e Norte do país. O Dengue pulsa em epidemias explosivas, extremeadas pela transmissão endêmica em várias regiões brasileiras. Atualmente no CO, NE e SE epidemias de Febre Hemorrágica do Dengue já são realidades no Rio de Janeiro (1991 e 1995), Ceará (1994). Os vetores e o vírus se disseminam sem cerimônia por vários estados brasileiros. A Leishmaniose toma fôlego em São Paulo, onde são identificados focos de transmissão autóctone em vários municípios do estado. O Tracoma tem sido diagnosticado no estado de São Paulo e em outros estados brasileiros mostrando que a dimensão do problema não foi sequer avaliada. São alguns exemplos de enfermidades endêmico-epidêmicas que circulam pelo país com grande impacto na morbi-mortalidade. Certamente, as epidemias e endemias tem raizes históricas e sociais, cujos principais determinantes são as precárias condições de vida da população, as formas de ocupação do espaço e a falta de acesso aos serviços e equipamentos urbanos.
doi:10.1590/s0104-12901995000100029 fatcat:eb7tpflf3rdybi7oki6u2li6um