Isolamento da primeira cepa de Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase codificada pelo gene blaNDM: um estudo de caso

Monique Karine da Silva Picolotto, Camila Begui Do Nascimento, Nereida Mello da Rosa Gioppo, Luzia Neri Cosmo Machado, Suelem Bassan Brandt, Leyde Daiane De Peder
2018 Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção  
Objetivos: O gene New Delhi metalo ß-lactamase (blaNDM) pode ser encontrado no plasmídeo de variadas cepas de enterobactérias conferindo multirresistência a diferentes classes de antimicrobianos, bem como a fácil disseminação do gene entre essas cepas. O presente estudo teve por objetivo relatar o isolamento da primeira cepa de Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase codificada pelo gene blaNDM, de um paciente internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no oeste do Paraná.
more » ... ste do Paraná. Descrição do caso: Um paciente masculino, 73 anos, deu entrada no hospital referindo dores abdominais sendo iniciada antibioticoterapia com ciprofloxacina e metronidazol. Passou por diversos procedimentos cirúrgicos e evoluiu para sepse com desenvolvimento de K. pneumoniae resistente aos carbapenêmicos produzindo carbapenemase codificada pelo gene blaNDM que teve como foco infeccioso uma ferida operatória abdominal, porém o paciente foi a óbito. Conclusão: Infere-se que, a confirmação da cepa resistente que produz a carbapenemase do tipo NDM e a conduta médica em localizar o foco da sepse, bem como a não resposta aos antimicrobianos utilizados e as diversas complicações cirúrgicas contribuíram para que o paciente evoluísse a óbito. Fazem-se necessários, portanto, estudos complexos sobre cepas que produzem esse tipo de carbapenemase, para uma escolha adequada da combinação de antimicrobianos que serão eficazes no tratamento, bem como ações junto a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) que visem conter as diferentes infecções, principalmente a realização da coleta de cultura de vigilância desses pacientes em ambiente hospitalar, a fim de evitar a seleção de cepas cada vez mais resistentes a esses.
doi:10.17058/reci.v1i1.9350 fatcat:tcnentfk6zcilhuptslvhkuiky