Editorial

L. A. U., V. B.
2019
Não há dúvida de que, para o melhor ou para o pior, a mobilização popular revela sempre um notável potencial transformador. Tal potencial pode expressar-se como um poder grandioso e magmático que – historia docet – não traz forçosamente caos e destruição, nem mesmo quando abala as instituições até aos alicerces. Mas, seja como for, gera e alimenta crise. Ora, "a crise da democracia – como faz notar o filósofo francês Paul Ricœur – é hoje uma crise dupla na qual se conjuga um movimento
more » ... movimento ascendente e um movimento descendente de ameaças fecundas e de ameaças de ruína". Em suma, a crise gera e nutre novas energias e ideias, fusão de horizontes, refundação, novos impulsos que se inscrevem todos, todavia, num tempo de incertezas onde aquela fecundidade da crise e aquela possibilidade de ruína e queda habitam paredes meias. Seja como for, a mobilização popular já é uma possibilidade, uma pedra angular da vida democrática. Mais uma vez, Ricœur ressalva que "a democracia é uma ideia em devir e em combate devenir. É uma historia já iniciada e que nós temos a tarefa de continuar. A crise (...) é um momento em uma historia da qual há que descobrir a energia". Seja como for, certo é que num estado democrático o poder pertence ao povo.
doi:10.13125/ch/3719 fatcat:y7gwmu5g5jelfk2olzpznla2iu