Pentecostais na Política Brasileira na era da Constituinte de 1988 e alguns de seus desdobramentos

Wanderley Pereira da Rosa
2020 Revista Brasileira de História das Religiões  
O artigo descreve a relação entre os pentecostais e a política no Brasil, no período da Constituinte de 1988 e alguns desdobramentos nos anos seguintes. Há um período relativamente curto, que abarca a primeira metade do século XX até o início da década de 1960, marcado por um protestantismo progressista, preocupado com sua contextualização e com a construção cristã de uma ética política e social para o país. A inquietação intelectual e o esforço por uma participação ecumênica relevante à
more » ... relevante à sociedade, que fosse capaz de suscitar uma reforma na religião brasileira, fez com que esse período se tornasse extremamente fecundo. Entretanto, nos anos que se seguiram, o protestantismo se fragmentou numa miríade de denominações, a maioria das quais preocupadas com seus próprios projetos de consolidação institucional, marcadas por uma espiritualidade individualista, moralista e interiorizada. Afastando-se daquela utopia inicial, os movimentos evangélicos, fruto dessa fragmentação, têm se preocupado cada vez mais com sua participação na política, mas, ao modo de um fisiologismo e nepotismo, bem como de um descaso para com a ética e os interesses republicanos. Este artigo foca, especialmente, na relação de líderes e denominações pentecostais e a política no Brasil no período supracitado. A história desta relação nos revela, finalmente, que as principais expressões do cristianismo — todas indelevelmente afetadas por um conservadorismo, sobretudo moral — não são nem melhores, nem piores do que a sociedade no interior da qual se constroem, mas, apenas um reflexo dela.
doi:10.4025/rbhranpuh.v13i37.51524 fatcat:3zdxpir3z5dv3l57qshs6ayivm