Viabilidade econômica do uso de aerador para o cultivo semi-intensivo de Tambaqui em tanques escavados

Eliasmar da Silva de Souza, Rute Bianchini Pontuschka, Raniere Garcez Costa Sousa
2017 Desafios  
RESUMO O aumento da procura por pescado motivou o setor piscícola a intensificar sua demanda, inserindo equipamentos sofisticados nos sistemas de produção. Entretanto, pouco se sabe sobre o real custo da produção de tambaquis com o uso dessas tecnologias. Sendo assim, o objetivo foi avaliar a viabilidade econômica do cultivo semi-intensivo de tambaqui em dois tanques: T1 (sem aerador) e T2 (com aerador), povoados cada com 275 peixes (≈ 40 g). Os animais foram monitorados semanalmente, durante
more » ... ano, por meio de coletas biométricas (peso e comprimento furcal), com concomitante acompanhamento de variáveis limnológicas. Os dados mostraram que somente o oxigênio dissolvido (≈7,79 e ≈8,30 mg L -1 ) e a amônia total (≈0,27 e ≈0,16 mg L -1 ) diferiram entre os tanques T1 e T2, respectivamente. Na análise econômica, utilizou-se o Custo Operacional de Produção (COP), que para o T1 foi de R$ 1.803,35 (ração), enquanto que para o T2 foi de R$ 3.552,94 (ração + energia elétrica). As variáveis zootécnicas dos grupos de tambaquis não diferiram significativamente, resultando em biomassa final de 467,67 kg (T1) e 458,15 kg (T2), com Receita Bruta de R$ 2.338,35 e R$ 2.290,75, respectivamente. O T1 apresentou um ganho de 22,87%, enquanto o T2 contraiu um déficit de -55,09%. Sendo assim, conclui-se que o uso de aerador para o cultivo semi-intensivo de tambaqui em tanques escavados não foi economicamente viável no período avaliado, indicando que a continuidade da atividade não trará retorno financeiro.
doi:10.20873/uft.2359-3652.2017v4n1p50 fatcat:goawum462rf5bkndg3fdygfvie