Redução das desigualdades no uso de consultas médicas no Brasil: análise das regiões Nordeste e Sudeste entre 2003 e 2008

Paulo Sérgio Cardoso da Silva, Antonio Fernando Boing, Karen Glazer Peres
2015 Revista Brasileira de Epidemiologia  
OBJETIVO: Analisar as desigualdades socioeconômicas na utilização de consultas médicas (CM) no último ano no Brasil. MÉTODOS: Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (≥ 20 anos de idade) das Regiões Nordeste (2003, n = 75.652 e 2008, n = 79.779) e Sudeste (2003, n = 76.029 e 2008, n = 79.356) foram analisados segundo CM. Compararam-se as prevalências de CM segundo as variáveis exploratórias demográficas e de saúde no primeiro (D1) e último (D10) decil de renda familiar per capita.
more » ... miliar per capita. As análises consideraram o desenho amostral complexo. RESULTADOS: A proporção de pessoas com CM aumentou no período na Região Nordeste (61,2 para 66,9%) e Sudeste (67,9 para 73,5%). A diferença absoluta de CM, segundo D1 e D10 no período, foi de 6,4 pontos percentuais (pp) no Nordeste e 4,2 pp no Sudeste. Houve importante redução das desigualdades entre os homens; naqueles sem doenças crônicas; naqueles que tinham uma percepção positiva da sua saúde e naqueles sem plano de saúde com direito a CM. A Região Sudeste ainda apresentou redução entre aqueles com apenas uma morbidade autorreferida (8 pp) e com percepção negativa da saúde (6 pp). CONCLUSÃO: Houve aumento de CM no Brasil. Observa-se ainda persistente desigualdade entre os mais pobres e os mais ricos, maior no Nordeste do que no Sudeste. Políticas para a redução da desigualdade em saúde mais eficazes e equânimes devem ser adotadas no Brasil.
doi:10.1590/1980-5497201500010019 pmid:25651025 fatcat:ko7ojcv5yzbwlgidhvahn4ynwm