Infeção tardia por streptococcus agalactiae – um caso de artrite séptica neonatal

Ângela Santos, Beatriz Sousa, Ana Paula Gama
2016
Introdução: A incidência da infeção neonatal precoce por Estreptococo do grupo B (EGB) tem diminuído substancialmente devido ao rastreio da colonização por EGB nas grávidas entre as 35 e as 37 semanas de gestação e à instituição da quimio-profilaxia intraparto. No entanto, a incidência da infeção tardia tem-se mantido constante na última década, não sendo afetada pela quimioprofilaxia materna intraparto. A infeção tardia afeta lactentes sem intercorrências obstétricas e com uma evolução
more » ... ma evolução neonatal precoce favorável. Outras vias de transmissão além da via vertical, tais como a via horizontal através dos contatos hospitalares ou familiares, poderão justificar a infeção tardia. Caso clínico: Este caso clínico relata uma infeção tardia por EGB que se manifestou como um artrite séptica num lactente caucasiano de termo, com via de transmissão desconhecida. A morbilidade associada é descrita. Discussão: Investigações adicionais sobre o mecanismo de transmissão da infeção tardia por EGB são imperativas para o desenvolvimento de medidas preventivas adequadas.
doi:10.25753/birth&growthmj.v22.i4.9896 fatcat:v6scl7xnk5h2bjuqixmmgkququ