Textos de escravos no Brasil oitocentista: os tempos de uma ediçãofilológica e de uma antologia comentada de alguns fatos linguísticos

Klebson Oliveira
2009 Filologia e Linguística Portuguesa  
RESUMO: O evento que moveu e em torno do qual gravita o presente artigo foi a localização de 13 textos escritos por escravos no Brasil do século XIX. Tornam esses documentos raros o fato de os estudos históricos frequentemente apontarem para a afirmação de que esses indivíduos, por circunstâncias histórico-sociais, não tiveram acesso ao letramento. Tais documentos foram editados nos moldes de uma edição semidiplomática, tentando manter, o mais que se pudesse, as suas características originais.
more » ... ísticas originais. Feita a edição, o artigo deriva para um estudo linguístico em que estarão em causa, sobretudo, fenômenos ligados à aquisição da escrita, a fenômenos meramente gráficos e a fenômenos gráfico-fônicos. PALAVRAS-CHAVE : Português brasileiro; textos de escravos; século XIX; análise linguística. "Tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem sua ocasião." * Universidade Federal da Bahia (PROHPOR)/Faculdades Jorge Amado/Unime -klebsonoliveira1974@gmail.com. Q 190 OLIVEIRA, Klebson. Textos de escravos no Brasil oitocentista: os tempos de uma edição filológica... caminho se enveredavam. A proposta da autora já se insinua no título e o que desenvolverá será isto: as vias de reconstrução para o que teria sido o português culto e o português popular no passado brasileiro não podem ser idênticas, uma vez que o cenário, esse foi o mesmo, mas os atores eram diferentes. Pois bem! Ainda consoante a autora acima referida, desvelar a face culta do português brasileiro em perspectiva diacrônica é tarefa bem alcançável, o que não quer dizer fácil, porque, além da generosidade dos arquivos, pode ser recuperada pela via tradicional, ou seja, pela busca de fontes documentais remanescentes, o que agenciaria, com o devir do tempo, a exibição de corpora diacrônicos seriados e constituídos pelos mais diversos tipos de textos. Isso, no ideário da autora, consentiria a aproximação de variações lingüísticas em convívio, bem como a detecção de mudanças ocorrentes. Já para uma história do português popular brasileiro, para esse, é bom avistar o modo como Mattos e Silva (2002, p. 457) lhe carimba o passaporte: Tendo sido formado na oralidade o português geral brasileiro, antecedente histórico do português popular brasileiro, a busca do seu percurso histórico tem de ser feita não fundada em corpora escritos, organizáveis ad hoc, como para o português culto brasileiro, como é óbvio, mas num processo de reconstrução •que designarei metaforicamente •arqueológico, em que, de evidências dispersas, calçadas pelas teorias sobre o contato lingüístico e pela história social do Brasil, se possa chegar a formulações convincentes. Percurso análogo, mutatis mutandis e modus in rebus, ao da reconstrução do chamado 'latim vulgar', cuja principal fonte de estudo é o seu resultado, as línguas românicas.
doi:10.11606/issn.2176-9419.v0i10-11p189-220 fatcat:qmh4r7767nanlm43v5o3dcedsq