Transcatheter aortic valve-in-valve implantation: a selection change?

Diego Felipe Gaia, Aline Couto, João Roberto Breda, Carolina Baeta Neves Duarte Ferreira, Murilo Teixeira Macedo, Marcus Vinicius Gimenes, Enio Buffolo, José Honório Palma
2012 Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery  
Objective: Aortic valve replacement for bioprosthesis dysfunction is a procedure involving considerable risk. In some cases, mortality is high and may contraindicate the procedure. Minimally invasive transcatheter aortic "valvein-valve" implant appears to be an alternative, reducing morbidity and mortality. The objective is to evaluate aortic valve-in-valve procedure using Braile Inovare prosthesis. Methods: The Braile Inovare prosthesis, transcatheter, expandable balloon, was used in 14 cases.
more » ... s used in 14 cases. Average EuroSCORE was 42.9%. All patients had double aortic bioprosthesis dysfunction. Procedures were performed in a surgical hybrid environment under echocardiographic and fluoroscopic guidance. Using left minithoracotomy prostheses were implanted through the ventricular apex under high-frequency ventricular pacing. Serial clinical and echocardiographic controls were performed. Follow-up ranged 1-30 months. Results: Correct prosthetic deployment was obtained in all cases. There was no conversion. There was no operative mortality. The 30-day mortality was 14.3% (two cases). Ejection fraction increased significantly after the 7 th postoperative day. Aortic gradient significantly reduced. The residual aortic regurgitation was not present. There were no vascular complications or complete atrioventricular block. Conclusion: The transcatheter "valve-in-valve" procedure for bioprosthesis dysfunction is safe with low morbidity. This possibility may change prosthesis choice during the first aortic valve replacement, favoring bioprostheses. Descriptors: Cardiopulmonary bypass. Aortic valve stenosis. Heart catheterization. Resumo Introdução: A reoperação para substituição de biopróteses aórticas com disfunção é procedimento que envolve considerável risco. Em alguns casos, a mortalidade é elevada e pode contraindicar o procedimento. O implante minimamente invasivo "valve-in-valve" transcateter de valva Gaia DF, et al. -Transcatheter aortic valve-in-valve implantation: a selection change? Rev Bras Cir Cardiovasc 2012;27(3):355-61 aórtica parece ser uma alternativa, reduzindo morbimortalidade. O objetivo deste estudo foi avaliar esses implantes utilizando a prótese Braile Inovare. Métodos: A prótese Braile Inovare, transcateter, balão expansível foi utilizada em 14 casos. Euroscore médio foi de 42,9%. Todos os pacientes eram portadores de dupla disfunção de bioprótese aórtica. Os procedimentos foram realizados em ambiente cirúrgico híbrido, sob controle ecocardiográfico e fluoroscópico. Por meio de minitoracotomia esquerda, as próteses foram implantadas através do ápice ventricular, sob estimulação ventricular de alta frequência. Foram realizados controles clínicos e ecocardiográficos seriados. O seguimento variou de 1 a 30 meses. Resultados: A correta liberação protética foi possível em todos os casos. Não ocorreu conversão. Não houve mortalidade operatória. A mortalidade em 30 dias foi de 14,3% (dois casos). A fração de ejeção apresentou aumento significativo após o 7º pós-operatório e o gradiente aórtico apresentou redução significativa. A insuficiência aórtica residual não esteve presente. Não ocorreu complicação vascular periférica ou bloqueio atrioventricular total. Conclusões: O implante "valve-in-valve" de valva aórtica transcateter em biopróteses com disfunção é um procedimento seguro e com morbimortalidade baixa. Essa possibilidade poderá alterar a indicação de seleção de prótese no procedimento inicial, favorecendo próteses biológicas. Descritores: Ponte cardiopulmonar. Estenose da valva aórtica. Cateterismo cardíaco.
doi:10.5935/1678-9741.20120062 pmid:23288175 fatcat:2b6vviouzjg4dbsqksaneiti6m