Comentário IX: historicizando as representações do passado

José Reginaldo Santos Gonçalves
2007 Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material  
Ao historicizar as representações do passado, o autor presta um serviço relevante ao dirigir a atenção de seus leitores para a natureza precária e instável dessas representações, sejam elas produzidas no mundo acadêmico, sejam produzidas e utilizadas na sociedade mais ampla. Assim, problematiza simultaneamente a história como conhecimento acadêmico e os usos do passado pelas sociedades contemporâneas. Expressando um significativo (e talvez já estabilizado) deslocamento intelectual na comunidade
more » ... ctual na comunidade de historiadores (assim como na comunidade dos antropólogos e nas ciências humanas em geral), no sentido de elaborar uma auto-reflexão sobre suas respectivas práticas disciplinares, o autor focaliza, de modo elegante, diversas modalidades por meio das quais o passado vem a ser representado, seja na forma escrita seja na forma visual. O ponto forte na sua argumentação está no reconhecimento de que o passado, embora exista independentemente dos seus intérpretes, somente assume existência significativa por meio do trabalho interpretativo. O passado, para o autor, deixa de ser considerado como um dado natural, na medida em que ele enfatiza o incontornável trabalho de reconstrução a que deve ser submetido (por diversos tipos de historiadores), cujo produto pode assumir, entre outras, as formas de "tradição" ou de "história". Em outras palavras, o autor sublinha a necessidade de romper com o pressuposto ingênuo de que "a existência pura e simples das experiências passadas é a garantia segura para a história como disciplina".
doi:10.1590/s0101-47142007000200011 fatcat:ctik2kvqcfb6xnqg2dr33t4tmm