Um elogio da cidade de Coimbra e dos Colégios de Jesus e das Artes

Carlota Miranda Urbano
2009 Boletim de Estudos Clássicos  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. Nos últimos dois números do Boletim de Estudos Clássicos apresentámos excertos de uma epopeia neolatina do séc. XVII, a Paciecidos 1 do P.e Bartolomeu Pereira S.J., excertos dedicados respectivamente ao elogio da cidade de Goa e da cidade de Macau. Tratando-se de uma epopeia que pretende celebrar a acção missionária da Companhia de Jesus, num caso, como no outro, observámos que o motivo literário do elogio da cidade, tema recorrente na Literatura neolatina, serve de pretexto para o louvor de casas ou colégios da Companhia naquelas cidades. O excerto que trazemos a este número do Boletim de Estudos Clássicos é relativo à cidade de Coimbra e ao Colégio de Jesus, a casa da Companhia onde o herói da epopeia fez o seu noviciado, de onde partiu para a missão no Oriente (como muitos outros) e onde o autor do poema, o padre Bartolomeu Pereira, exerceu o seu ministério durante vários anos, inclusive no ano em que o seu poema foi publicado. O elogio da cidade e do Colégio da Companhia tem lugar durante a longa narrativa analéptica em que o herói do poema relata aos companheiros, entre outras coisas, a sua chegada a Coimbra, para aí fazer o noviciado na Companhia de Jesus, depois de ter estudado alguns anos no Colégio de St.º Antão em Lisboa, onde o exemplo dos mestres o moveu a dar esse passo. Recorrendo à antiga e tradicional imagem cristã da militia Christi que a literatura jesuítica assumiu plenamente como traço identitário, o poeta coloca na boca do herói estas palavras que explicam a sua chegada a Coimbra e ao Colégio de Jesus: "Então, alisto o meu nome na milícia sagrada, que tem por general no governo das armas Jesus Cristo, e que as puras e níveas bandeiras adornam. _________________ 1 Pereira, Bartolomeu, Paciecidos: libri duodecim: decantatur clarissimus P. Franciscus Paciecus Lusitanus, Pontlimiensis, è Societate Iesu, Japponiae Provincialis eiusdem Ecclesiae Gubernator, ibique uiuus pro Christi fide lento concrematus anno 1626. Conimbricae, Expensis Emmanuelis de Carvalho 1640.
doi:10.14195/0872-2110_51_12 fatcat:3j7neosftraeri5zllh7o523li