Forma pulmonar crônica da esquistossomose mansoni: avaliação clínico-radiológica

Regina Lunardi Rocha, Enio Roberto Pietra Pedroso, Manoel Otávio da Costa Rocha, José Roberto Lambertucci, Dirceu Bartolomeu Greco, Cid Sérgio Ferreira
1990 Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical  
Foram estudados 115 pacientes esquistossomóticos, 31 com radiologia torácica normal sem sinais de hipertensão pulmonar (HP); 73 com alterações radiológicas cardiopulmonares sem sinais de HP e 11 com alterações clínicas de HP. A forma pulmonar crônica (FPC) sem HP é de alta incidência e benigna. Nao se associa à forma hepatosplênica (FHE) da esquistossomose mansoni, à faixa etária, sexo ou naturalidade. As alterações radiológicas torácicas predominantes são hilares, seguidas das parenquimatosas
more » ... as parenquimatosas (micronodulação, especialmente base direita). Associa-se às cargas parasitárias baixa ou média. A FPC com HP é de baixa incidência, mas determina repercussão cardíaca significativa. Associa-se à faixa etária superior a 12 anos e a FHE; não se relaciona ao sexo, cor e naturalidade. As alterações radiológicas torácicas são observadas no hilo e parênquima em igual proporção (arco médio abaulado e micronodulação em ambas as bases).
doi:10.1590/s0037-86821990000200004 pmid:2129521 fatcat:mzkmlele4vaebkei57qg2n6she