Encefalite do Nilo Ocidental, nossa próxima epidemia?

Expedito J. A. Luna, Luis Eloy Pereira, Renato Pereira de Souza
2003 Epidemiologia e Serviços de Saúde  
Resumo Neste trabalho, foram revistas as características clínicas e epidemiológicas das infecções pelo Vírus do Nilo Ocidental (VNO), destacando modo de transmissão, reservatórios e vetores, bem como a distribuição geográfica de aves reservatórias e suas rotas de migração no continente americano, de forma a embasar a discussão das possibilidades de introdução do vírus no Brasil e a proposição de estratégias de vigilância adequadas à nossa realidade. A revisão foi realizada pela consulta à base
more » ... la consulta à base de dados MEDLINE, no período 1991de dados MEDLINE, no período -2002, complementada pela utilização dos textos encontrados através do mecanismo de busca da página dos Centers for Disease Control and Prevention (CDC)(home page na internet: cdc.gov). Foram também consultados livros-texto de reconhecimento internacional, nas disciplinas pertinentes ao desenvolvimento do estudo. O VNO é um arbovírus transmitido pela picada de mosquitos infectados. O vírus infecta principalmente aves, homens e eqüinos. No homem, pode produzir desde quadros oligossintomáticos até casos graves e fatais de encefalite. A primeira epidemia de VNO nas Américas ocorreu em 1999, em Nova Iorque, Estados Unidos da América (EUA). Anteriormente, o vírus ocorria apenas no Velho Mundo, onde aves migratórias desempenham papel importante na disseminação. A América do Sul, por sua vez, recebe centenas de espécies de aves migratórias provenientes do hemisfério norte, inclusive de áreas onde o vírus foi detectado. O conjunto desses deslocamentos migratórios permitiria a disseminação do VNO em todo o continente americano. Dessa forma, o propósito do sistema de vigilância seria o de detectar a introdução do vírus no país. A principal área de atuação do sistema seria a vigilância ambiental de reservatórios e vetores. Palavras-chave: Vírus do Nilo Ocidental; epidemiologia; aves migratórias; vigilância epidemiológica. (USA). Previously, the virus was found only in the Old World with migratory birds playing a major role in virus dissemination. South America receives hundreds of migratory bird species from the Northern Hemisphere, many from areas where the virus has been detected. Those migrations could allow the dissemination of WN throughout the Americas. Therefore, the goal of a surveillance system would be the detection of the introduction of this virus in Brazil. The primary area of action of this surveillance system would be the environmental survey of reservoirs and vectors. Summary This work reviews the clinical and epidemiological aspects of West Nile Virus (WN) infections, including modes of transmission, reservoirs and vectors, as well as the geographical distribution of bird species serving as potential reservoirs and their migratory routes in the American Continent to permit a discussion of the possibility of WN virus being introduced into Brazil and propose reality-based strategies for surveillance. A review was undertaken using the MEDLINE database, for the period from 1991 to 2002, and by a search mechanism of the Centers for Disease Control and Prevention (CDC) website (home page at the Internet: cdc.gov). Internationally recognized textbooks on the disciplines related to the study were also consulted. The WN virus is an arbovirus transmitted by the bite of an infected mosquito. The virus infects mainly birds, humans and equines. In humans it may cause mild to serious illness, including death due to encephalitis. The first outbreak of WN infection in the Americas occurred in 1999 in New York City, United States of America
doi:10.5123/s1679-49742003000100002 fatcat:gcoctki4xvelde6wma4oaxabpy