Reconstrução arterial no transplante hepático: a melhor reconstrução para variação da artéria hepática direita

Wellington Andraus, Luciana BP Haddad, Liliana Ducatti, Rodrigo B Martino, Vinicius Rocha Santos, Luiz Augusto C D'Albuquerque
2013 ABCD: Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva  
INTRODUÇÃO: Variações na anatomia da artéria hepática são comuns, com incidência de 20-50%. No transplante hepático, reconstruções durante a operção de bandeja são frequentemente necessárias para proporcionar anastomoses arteriais adequadas. O uso de "patch" é frequente, visando reduzir a incidência de complicações. Entretanto, quando está presente a variação da artéria hepática direita, ramo da artéria mesentérica superior, a reconstrução ocasionalmente produz torções e problemas de fluxo.
more » ... lemas de fluxo. MÉTODOS: Descreve-se uma técnica cirúrgica alternativa para reconstrução da variação da artéria hepática direita usando um "patch de Carrel" da artéria mesentérica superior. O "patch" é anastomosado no coto da artéria esplênica permitindo orientação vertical e bom fluxo sanguíneo. RESULTADOS: Entre 120 transplantes hepáticos, quatro casos consecutivos de variação da artéria hepática direita foram reconstruídas utilizando essa técnica. Todos eles apresentaram patência e bom fluxo no pós-operatório. CONCLUSÃO: A técnica proposta mostra-se interessante método alternativo para reconstrução da variação da artéria hepática direita no transplante hepático.
doi:10.1590/s0102-67202013000100014 pmid:23702874 fatcat:glsr7i5e65gf7pmeltpr3oepmy