Rochas-mater da "terra roxa"

M. Gutmans
1943 Bragantia  
Valemo-nos amplamente do primeiro (5), cuja parte petrográfica foi, quase toda ela, baseada no método Fedorow. No segundo (3), porém, não há menção alguma do método Fedorow, e os componentes dos diabásios ficaram com determinações bastante 1943 BRAGANTIA 273 vagas, mas as análises químicas dos diabásios brasileiros, argentinos, uruguaios e paraguaios, constituíram valioso material para nossos estudos comparativos sobre as variedades do diabásio. Na região predevoniana, não são evidentes as
more » ... ões entre as rochas e as terras que as cobrem, como acontece nos planaltos. Os solos autóctones são muito raros, mas o estudo assíduo da região, tendo-se à mão um mapa geológico detalhado, pode permitir a colheita de amostras do solo de todas as rochas predevonianas. Na falta de planaltos com formações geológicas horizontais, é preciso colher as amostras do solo autóctone, nos altos dos morros graníticos, gneíssicos, calcáreos, etc. Podemos, assim, assinalar 9 variedades dos mais importantes solos da região predevoniana, porque este é o número das principais rochas aí existentes : areníticos, quarzíticos, filíticos, xistoso-micáceos, gneíssicos, anfibolíticos, calcáreos, dolomíticos e tipo terra roxa, oriundas do gabro. Outros solos são mesclas, mas sua classificação, conservando-se sempre o mesmo critério geológico, é mais fácil do que parece. A natureza, destruindo as inúmeras rochas da região, submete os produtos de desagregação a uma classificação natural, que simplifica oportunamente as pesquisas. Múltiplas variedades de quarzos, feldspatos, piroxênios, anfibólios e micas ficam reduzidas a argilas, compostas somente de 11 minerais, segundo Paiva Netto (2). Os quarzos, calcedônios, opalos, feldspatos, micas, ferro-óxidos, ilmenita, monazita, turmalina, almandina, apatita, piroxênios e anfibólios são os componentes principais da fração areia dos solos do Estado de São Paulo. A classificação dos solos na base petrográfico-geológica permitirá distinguir todas as variedades dos solos do Estado, evitando a confusão das classificações práticas com vagas determinações. O método primitivo de «analisar a terra com o pé » deve ceder lugar ao estudo científico, baseado em conhecimentos completos das rochas, das quais se originaram os solos agrícolas. O presente estudo é dedicado às rochas basálticas, que originaram um dos melhores solos do Brasil : a "terra roxa". VARIEDADES DAS ROCHAS BASÁLTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Antes de descrever as variedades das rochas basálticas do Estado de São Paulo, trataremos ligeiramente do magma, donde elas se originaram. Às nossas rochas basálticas estão ligadas estreitamente, em muitos pontos do Brasil e de outros países vizinhos (Paraguai e Argentina), as
doi:10.1590/s0006-87051943000900001 fatcat:2zyors4wyffcboisjjpqbqcmyy